sexta-feira, 19 de outubro de 2007

O Quarto Elemento… outras perspectivas – 1ª parte

Faltava alguém que te preenchesse totalmente - era gritante esse sentimento, transpirado por todos os poros, senti-o na língua, enquanto passeava pelo teu corpo, senti-o na alma, ao ouvir-te chorar baixinho. Era algo que nós jamais te poderíamos dar, mas podíamos pelo menos ajudar-te a encontrar.

A Teia… quanto poder na ponta dos dedos! O nosso Amante iniciou a viagem que nos levou a preparar-te A Surpresa, sem que fizesses a mínima ideia... foste tu que escolheste, só podia ser assim, nós apenas te demos a força e a confiança que necessitavas para arriscar mais uma vez, para acreditar só mais uma vez.

Ele foi-se revelando, cada vez mais apetecível, tanto que parecia irreal, tu não querias acreditar, pediste-me para te beliscar. Estavas completamente apaixonada, nunca te tinha visto assim, tão plena de vida, tão brilhante… Rimos perdidamente em cima da manta laranja, como eu gostei de te ver rir assim, a exalar esperança!

Tinha chegado a altura, tinha de ser especial. Percebeste finalmente que não havia nada de errado contigo, tinhas tudo o que precisavas, e agora só querias partilhar essa sensação com mais alguém. Depois de tantos encontros de alma, o encontro dos corpos. Oferecemo-vos esse momento a dois, sabendo que seria apenas a confirmação do que já compreendíamos: a comunhão de dois seres há muito esperada por ambos, para se fazerem um só de corpo e alma.

Deixámos a casa à vossa disposição, preparámos o cenário onde já nos tínhamos deixado levar por esse suave abandono de prazer, a partilhar os nossos corpos. Preparámos a luz, os aromas, os sons e toques suaves, não nos esquecendo dos sabores, e deixámos espaço para a vossa dança dos sentidos, tudo como sabíamos que ias gostar e que ele iria certamente aprovar.

O sonho, a expectativa, a realidade – tudo se misturou naquele dia. Eu e o nosso Amante estávamos verdadeiramente deliciados com o que tínhamos preparado para vocês, tão excitados com a ideia que mal nos conseguíamos conter. Trocámos gestos cúmplices, separámos os corpos e seguimos com o planeado.

Expectantes e decididos, com a adrenalina a bombar na corrente sanguínea e a energia acumulada a fluir, começámos a pôr em prática, com pensamentos e gestos coordenados, o que há muito tínhamos imaginado…

4 comentários:

luafeiticeira disse...

Isto promete....
Agradeço a informação deixada no meu blog.
beijos enfeitiçados

Quimera disse...

Meu anjo, lembro um dia em q me disseste q só querias ver-me feliz! Caiu-me uma lágrima ao sentir esse teu amor ( sim, pq amizade é uma forma de amor)!
esse amor já me preenche em certa medida. O resto? Tudo tem o seu tempo!
Beijos doces!

Anónimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado

carpe vitam! disse...

Olá, não tens de quê, volta sempre :)