quarta-feira, 6 de junho de 2018

pontaria humorística





" Se eu vou escarrar para aquilo, nem amanhã de manhã eu posso acertar! "
Épica.
Beatriz Gosta de arrasar!
"Loukitcha"...


terça-feira, 15 de maio de 2018

Tortura de Prazer parte 3

início | continuação daqui




- Ahahaha! Boa tentativa. - Afasta-se, pousa a faca na secretária e traz um preservativo. É a oportunidade que ela estava à espera. Quando ele avança distraído a abrir o invólucro, ela usa o impulso do ponto fixo entre as mãos, salta e pontapeia-o com toda a força, acertando-lhe no peito, o que o faz cair para trás. Solta o mosquetão que lhe prende as algemas em cima e solta a venda. Ambos voam para a arma em cima da mesa, mas ela ganha a corrida e aponta-a na direção dele, que é bem maior do que ela supunha:
- Não tentes fazer nenhuma parvoíce, se fizeres um gesto que eu não ordene, levas um tiro no pé e por cada disparate, vou subindo. - Ela vira o bico ao prego e devolve-lhe exatamente o mesmo discurso que ouviu. Vai usá-lo para sair dali, mas antes, quer pagar-lhe da mesma moeda.
- És uma mulher morta. - diz ele calmamente, obedecendo-lhe.
- Não me subestimes. - Ela procura um par de algemas e encontra-o numa gaveta, bem como um rolo de fita cola. 
- Vais amarrar - diz ela num tom de voz firme que ele ainda não conhecia, a apontar-lhe a arma: - os pés a esta cadeira!
- Vais arrepender-te, puta - ela arremessa o rolo de fita-cola que lhe acerta nos testículos, fazendo-o encolher-se de dor. 
- Para a próxima é um tiro. Tira as meias e manda-as para aqui! - Ele não está a gostar nada do rumo daquilo, mas decide obedecer antes que ela se lembre de atirar alguma coisa mais destrutiva. Ela descalça as botas, tira as meias húmidas, revelando as unhas pintadas de vermelho. Cheira-as e faz uma careta com a língua de fora. Cheira as dele, faz uma careta sem língua de fora e calça as dele, quentes e secas.
- Usa a fita para amarrar os pés à cadeira e é bom que o faças bem feito. Ele tenta não dar muitas voltas, mas ela está a inspecionar o trabalho dele:
- Mais uma volta, e outra, mais outra… - até dar o trabalho por bem concluído. A seguir, atira-lhe as algemas: 
- Algema-te! Prende os braços atrás das costas da cadeira! - ele segue as instruções sem piar. Ela aproxima-se de arma em riste para inspecionar o trabalho de perto. Parece estar tudo bem. Agarra na fita-cola e tapa a boca dele. Cobre-se com o casaco dele que estava nas costas da cadeira, mas curiosamente, já não tem frio. 
Guarda a arma no bolso do casaco e vai buscar a faca. - Agora é a minha vez. - Ela sorri pela primeira vez desde que ali está. É um sorriso desafiante, extremamente sedutor e maquiavélico. Passa-lhe a faca por cima da fita cola e desce pelo queixo até ao pescoço, fazendo pressão na jugular, deixando um pequeno corte superficial. Facas não são o seu forte, e com as mãos algemadas, ainda menos.
- Ups. Desconfortável, não é? - Dirige a faca para o peito e começa a cortar-lhe a camisola. Não é tão fácil como parecia, ainda mais com as mãos presas, mas ela lá consegue desvendar-lhe o torso e os ombros. Na verdade o Major não é jovem, mas também não é velho. Está em forma, os músculos têm alguma firmeza e definição. Ela diverte-se a deslizar a lâmina entre os pêlos do peito dele e observa atentamente a marca vermelha que as suas botas ali deixaram. Sorri e olha-o nos olhos, a curtíssima distância. Ele tem olhos claros e cativantes, quem diria que eram olhos de um torturador? Mas os dela também não parecem olhos de má pessoa, são muito vivos e expressivos, e no entanto ali está, completamente extasiada com aquele poder. 
Dirige-se com a faca para a braguilha. Ele ainda a tem aberta e o cinto está desapertado, mas o sexo já não está duro. Continua dorido do rolo da fita. Um objeto insignificante, mas levar com aquilo nos testículos quando se está intumescido, dói que se farta. Ela sai de cima dele, desaperta-lhe o botão das calças e ordena-lhe:
- Levanta o cu! - enquanto ele o faz, ela puxa-lhe as calças e os boxers para baixo. Pega na mangueira e dá-lhe um banho com a pressão no máximo, insistindo no sexo. Entra-lhe água pelo nariz, engasga-se e tosse. Ela pega novamente na faca e dirige-se para ele. Para o sexo dele. Começa a passar ao de leve, como ele lhe fez e sente-o encolher-se. Sorri, ao sentir a respiração dele acelerar. Continua mole. 
- Não é nada entesoante estar desse lado, pois não, meu cabrão?


continua...

domingo, 29 de abril de 2018

Swingin'(in the rain): os Músicos #6

continuação daqui início

Fomos para casa e no dia seguinte eles convidaram-nos para irmos ter com eles
a uma quintinha da família do Músico, convite que nós aceitámos, apesar de ser
um pouco longe.
Mas não nos arrependemos, foi muito bom voltar a estar com eles, num contexto
completamente diferente. Sabíamos que não éramos os únicos na quinta, por isso
estava fora de questão uma abordagem sexual. Quando chegámos a tarde já ia a
meio, mas ainda fomos a tempo de conhecer um pequeno paraíso: uma represa
usada para rega e também para banhos. Levámos a prancha da Yin e o kayak do
Yang, estivemos os quatro a tomar banho e a remar na água, rodeados de beleza
tranquila e silêncio, apenas quebrado pelos nossos risos. O cão ainda foi convidado
para cima da prancha, mas não foi na conversa. A Yin arriscou tirar a parte de
cima do bikini, quando a vontade dela era despir-se toda, mas fomos alertados
para que poderia vir alguém e não queríamos que eles ficassem mal vistos
com amigos tão… despudorados.
Ficámos por lá até o sol descer e a sombra se apoderar das margens. A Yin e a
Música foram a pé até à casa com o cão, ele gostava bastante de passear no
campo, na cidade não tem tantas oportunidades de molhar as patitas na água
enlameada das rigueiras. Aproveitaram para conversar um pouco ao pôr-do-sol
entre plátanos e choupos. Sentia-se aquela nostalgia de fim de verão, quando os
dias começam a ficar mais curtos e só apetece aproveitar ao máximo.


Tomámos banho e jantámos um delicioso peixe que a Música cozinhou no forno
e foi com muita pena que tivémos de ir embora, pois no dia seguinte o trabalho
esperava-nos. Ficámos com imensa vontade de lá voltar.

continua...

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Dança XXIV: apneia subaquática



"Elle ne filme que sous l'eau. Julie Gautier, réalisatrice immergée, signe un nouveau film, "Ama", dédié à toutes les femmes : "J’ai voulu mettre dans ce film ma plus grande douleur en ce monde. Pour qu’elle ne soit pas trop crue je l’ai enrobée de grâce. Pour qu’elle ne soit pas trop lourde je l’ai plongée dans l’eau." Découvrez un extrait de deux minutes dans cette vidéo, et retrouvez le film en intégralité sur sa chaîne Viméo "Les films engloutis".

A Água permite uma diferente gramática do movimento. A dança é quase um voo, um poema fluído.
Sublime.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Tortura de Prazer - parte 2

continuação daqui

A adrenalina dispara-lhe no sangue e a bexiga cheia está prestes a rebentar. Tem de se aliviar com urgência, como se estivesse mijadinha de medo. Uma humidade quente começa a escorrer-lhe pelas pernas abaixo ensopando as calças e as meias. Sabe-lhe maravilhosamente bem aquele alívio, mas não o quer demonstrar. Baixa a cabeça, morde o lábio e começa a choramingar:
- Não sei, não sei, por favor, eu não sei de nada! - Ele ri-se. Ela consegue ouvir-lhe a respiração calma, sentir um cheiro intenso, almiscarado do corpo dele, com rumores de after shave. Quase afável. Chega-se ao ouvido dela e sussurra:
- Fraquinha… - um arrepio percorre-lhe a espinha e fá-la estremecer. Ela parece realmente pequena e extremamente vulnerável. Ele ri-se para dentro e pensa “eu vou gostar disto”:
- Mijaste as calças, vou ter de te castigar…
Ele começa a desapertar-lhe o cinto e ela debate-se. Ele saca de uma faca, encosta-a ao pescoço dela e fá-la gelar. Tem os braços dormentes, já não sente o desconforto das algemas e continua sedenta, mas intacta.
- Vamos lá ver, estou a perder a paciência, e quando eu perco a paciência fico bastante violento. - Começa a cortar-lhe as calças e a camisola com a faca, demonstrando uma precisão cirúrgica deixando-a de botas e roupa interior, sem um único arranhão. Ela está em forma, tem um corpo bem feito e curiosamente, parece menos frágil sem roupa. Ele volta a sussurrar-lhe ao ouvido:
- Se não falas, vou ter de estragar este teu corpinho… - toca-lhe com o dorso da lâmina na jugular. Consegue ver-lhe a pulsação acelerada a palpitar a artéria e começa a descer para o ombro, cortando uma alça do sutiã, depois a outra, depois desce pelo centro do peito e com um gesto rápido, descobre-lhe as mamas, mostrando o quão afiada está a faca. “Magníficas mamas, pequena mas bem dotada”, pensa ele. Afasta-se um pouco para a contemplar e recuperar o fôlego, aquela visão excita-o e precisa manter a postura. Volta ao ataque, percorrendo-lhe os seios com a lâmina, até parar num mamilo espetado pelo frio:
- Vai ser uma pena ficares sem este mamilo... -  A respiração dela acelera, faz o peito subir e descer e tenta controlar-se para não ser ferida pela faca. - Depois se continuares a não colaborar, a mama toda... - Tortura 101, um clássico. Mais uma vez, lembra-se do treino, da parte psicológica. As lágrimas começam a ensopar-lhe a venda e a escorrer-lhe pela face. Mas continua intacta. A ponta da lâmina percorre-lhe o corpo, como uma carícia quase imperceptível, não fosse tão gelada. Ele usa as costas do fio para fazer mais pressão sem a cortar.

- Vamos lá livrar-nos dessas cuecas mijadas - com dois simples cortes e um puxão, ela está nua à sua frente, apenas conserva as botas. Ele cola-se às suas costas e ela consegue sentir-lhe a erecção contra o rabo, por baixo das calças. Ele vai descendo com a faca do peito para o ventre, percorre o monte de vénus e pára à entrada da fenda:
- Não queres que te mutile aqui, pois não? - Ela percebe que ele está a brincar com ela, a testá-la. Sabe que tem de lhe dar qualquer coisa para ganhar tempo, se quer sair dali com vida:
- Por favor, por favor, eu não sei de coordenadas nenhumas, eu só ouvi um rumor, alguém dizer que não era um lugar geográfico, era um endereço, num servidor qualquer, mas eu não sei o que é, juro! - ela tinha de inventar alguma coisa para ganhar tempo e ele sorri triunfante, parece que vão a chegar a algum lado agora. Liga o rádio e pede:
- Faz-me uma busca por servidores nossos que possam ser suspeitos, escuto.
- Que tipo de suspeição? Escuto.
- Ainda não sei, tudo o que parecer estar fora do sítio. Escuto.
- Isso pode demorar umas horas. Escuto.
- Diverte-te e volta a ligar quando tiveres alguma coisa. Over.
- Posso beber água, por favor? - ele ri-se com a ousadia dela.
- Vais dizer-me mais concretamente que servidor é esse que tu não sabes?
- Se eu soubesse… mas eu não sei de nada, por favor...
- Claro, vou dar-te de beber, os teus desejos são ordens - diz ele num tom claramente jocoso e irado. Pega numa mangueira e rega-a toda. A água está glaciar, congela-lhe a pele de galinha arrepiada, mas consegue beber alguma.
- Pronto, assim também ficas lavadinha e pronta para me contares mais pormenores sobre esse servidor. - a água escorre na pele dela formando pequenos rios que percorrem os montes e vales do seu corpo. Alguns perdem-se em pingos nas extremidades, outros rumam para sul, na busca de uma foz. Ela ouve o som  do fecho das calças dele a abrir devagar…

- Eu não sei mais nada, eu juro, por favor… não me faça mal, eu sou sero-positiva!- Grita ela. Contra-tortura 101. Ele pára de desapertar as calças por um segundo.

continua aqui

quarta-feira, 11 de abril de 2018

provocação gratuita 104

"Arder con deseo y mantenerlo en secreto es el mayor castigo que podemos traer a nosotros mismos."

Frederico Garcia Lorca
gracias Girassol :D

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Swingin' (in the rain) os Músicos #5

continuação daqui início


Por volta do aniversário da Yin, a Música ia participar num concerto ao ar livre, uma produção que envolvia centenas de pessoas entre músicos e coros. Convidou-nos para assistir e claro, nós aceitámos. Não apenas para a podermos ouvir atuar, como achávamos interessante ouvir aquela musical ao vivo.

Pensámos em ir até um clube a seguir ao concerto. Fomos jantar com o Músico, que não ia participar no concerto e tivemos de nos despachar rápido, pois estava quase na hora. Antes disso tínhamos estado um pouco com ambos e fomos com eles passear o cão pelos arredores de casa, foi um final de tarde bastante agradável, estava um final de verão muito simpático e o cão deles é muito sociável. Chegados ao recinto, já estava imensa gente, ficámos bastante para trás, onde estávamos muito bem sentados, mas o som não chegava nas melhores condições e foi um pouco dececionante ouvir a abertura, já tínhamos ouvido aquilo com melhor qualidade no sistema de som da sala. Mas mais para o final, decidimos ir um pouco mais para a frente, e aí sim, o som fazia-se ouvir em melhores condições e fazia-nos vibrar. Ficámos a aguardar a Música, enquanto o recinto esvaziava. E lá veio ela, com o seu sorriso contagiante, juntar-se a nós. Seguimos para a casa deles, a Yin vestiu-se para sairmos para o clube, mas notou a hesitação da Música em escolher o vestido, pensou que talvez estivesse cansada e não tivesse muita vontade de ir para o clube, falta de vontade essa que se veio a confirmar e se juntou à vontade do Músico e da Yin. O Yang era o único que queria ir, mas não se chateou nada quando os Músicos propuseram que ficássemos pela casa deles. Têm um espaço muito simpático, super prático e simples, a condizer os donos. Fomos para o quarto experimentar uma vela de massagens que tinham trazido das férias. A cobaia desta vez era o Músico, a Yin começou a massajá-lo conforme se lembrava de lhe terem feito no dia anterior uma massagem ayurvédica ao corpo todo que lhe soube lindamente, ainda para mais depois de ter passado a semana a fazer limpezas profundas em casa. Com o corpo dorido, as massagens sabem melhor, e ela esperava conseguir reproduzir os gestos da massagista, contando com a colaboração dos outros dois elementos para irem fazendo a massagem de forma simétrica e simultânea. O músico parecia estar a gostar, conseguimos sentir os músculos no corpo dele e toda a estrutura óssea, nunca tínhamos massajado ninguém tão magro. Depois passámos à Música, tentando reproduzir os mesmos gestos. Ela também parecia estar a gostar. A ideia era não deixar nenhuma parte do corpo por massajar. No final, a Yin dedicou-se mais ao sexo do Músico e o Yang ao sexo da Música. A Yin não tinha tido daqueles mimos no dia anterior. Eles estavam de músculos aquecidos e relaxados, a Música já tinha bocejado algumas vezes, estava quase a dormir. A Yin estava com vontade de ter o Músico dentro dela, quando nos apercebemos que não tínhamos preservativos e por isso ficámos pelas carícias manuais até praticamente adormecermos.


continua aqui

domingo, 1 de abril de 2018

Tortura de Prazer - parte 1


Um subterrâneo, numa base militar secreta. Numa sala ampla, escura, com uma mesa e cadeiras metálicas, um ralo no chão e várias correntes penduradas no tecto, um Major ordena aos seus subalternos via rádio:
- Tragam-na.
Entram dois guardas com a prisioneira algemada, vendada e encapuzada.
-  Sentem-na. - A voz do Major é clara e firme, quase radiofónica. Ela não consegue perceber-lhe a idade. Não tem voz de velho, mas também não parece muito jovem. - Deixem-nos sozinhos. - Ele levanta-se muito calmamente, tranca a porta e volta a sentar-se. Ela não trazia identificação quando foi capturada, mas identifica-se e eles confirmam a identificação falsa que foi criada para a operação em curso. Está a esforçar-se por manter a calma e memorizar todas as voltas que deu para ali chegar.
Treme de frio dentro da camisola sem mangas. A sua bexiga é um depósito com indicador de cheio ligado há umas horas e a boca está mais seca que areia do deserto ao meio dia.
Tem trinta anos, é pequena e bonitinha. Treinada para situações daquelas, embora nunca tenha passado por nenhuma na realidade. Alerta e expectante.
O Major tira-lhe o capuz devagar, com a delicadeza de quem despe a amada, mas ela continua sem ver nada porque está vendada. Começa a tentar elaborar um plano de fuga, não vai ser fácil com o que tem. Depois de algum tempo que pareceu uma eternidade em que a esteve a estudar, o Major começou a falar:
- Isto pode demorar muito tempo e ser bastante doloroso. Ou pode ser bastante rápido e indolor. Só depende de ti, da tua disposição para colaborar.
- Eu colaboro, tenho pavor à dor. - Ela quer claramente a tentar passar uma imagem frágil de vítima indefesa, o que não é difícil na posição em que se encontra…
- Só precisas de nos dizer as coordenadas.
- Quais coordenadas?
- Assim começamos mal. Não te faças de desentendida, sabes muito bem do que estou a falar.
- Juro que não sei de nada, sou só um sargento, não tenho acesso a informação privilegiada, eu já disse aos outros, não sei por que me capturaram e…
- Deixa-te de merdas - corta ele aumentando o tom de voz. - O teu contacto denunciou-te, estavas no sítio certo à hora certa, por isso é melhor começares a falar.
- Qual contacto? Não sei do que estão a falar, por favor, isto é tudo um mal entendido, eu sou uma simples operadora de comunicações, eu já expliquei o que estava lá a fazer!... - choraminga ela, a fingir aflição. Será que apanharam mesmo o seu contacto ou é apenas bluff? Se sim, o que terá ele dito? Isso agora não interessava, o importante era sobreviver. Na sua cabeça, revê a informação para a fuga.
- CHEGA! - grita o Major, dando um murro na mesa com a agressividade de um felino assanhado, prestes a atacar, que a faz saltar da cadeira: - Assim vai ser mais difícil para ti, mas se é assim que queres… - sorri, levanta-se e aproxima-se dela. Se ela não falar logo, aquilo vai dar-lhe algum gozo:
- Levanta-te e não tentes fazer nenhuma parvoíce, se fizeres um gesto que eu não ordene, levas um tiro no pé e por cada disparate, vou subindo. Ela obedece sem hesitar. Lembra-se do treino, tem de ser maleável, tem de colaborar, tem de os fazer acreditar que não sabe grande coisa. Lembra-se de como fazer para desmaiar quando precisar, mas tenta manter a calma por dentro, enquanto tenta parecer perturbada por fora.
Ele encosta-lhe o cano da arma à cabeça e destrava-a. Ela sente o metal duro e frio contra a têmpora, mas sabe que ele não vai disparar. Não já, não sem antes obter alguma coisa. Mesmo assim, a sua pulsação acelera. Precisa que ele cometa algum erro para sair dali.
- Levanta os braços - ela obedece de imediato e enquanto o faz, desloca ligeiramente a venda, o suficiente para deixar entrar um pouco de luz mas de forma imperceptível para o seu interlocutor. Ele pega na corrente das algemas e encaixa num mosquetão preso noutra corrente, por cima da cabeça dela. Ela começa a vislumbrar o espaço, o mosquetão e a posição dele. A vontade de urinar está a sobrepor-se ao pensamento, está a reter a urina há tanto tempo que começa a sentir contrações na bexiga e nos músculos pélvicos, que até são bastante agradáveis durante uns segundos para logo a seguir intensificarem o martírio.
- Só vou perguntar mais uma vez antes de te começar a magoar: as coordenadas?


continua aqui

terça-feira, 27 de março de 2018

swingin' (in the rain): os Músicos #4


continuação daqui início

No meio de Agosto, depois de eles terem ido de férias, conseguimos encontrar um dia para nos encontrarmos novamente. Como seria durante a tarde, optámos por ir fazer Geocaching caminhando pela serra, depois de um almoço em nossa casa. Foi muito bom revê-los, soube bem o fresco da serra numa altura em que quase toda a gente opta por praia. Passaram pela nossa cabeça algumas ideias de nos despirmos e fazer sexo ao ar livre, ou simplesmente arejar partes mais privadas do corpo, mas comportámo-nos e divertimo-nos bastante. Eles iriam novamente de férias no dia seguinte, desta vez para o estrangeiro, pelo que teriam de tratar das malas e afins e não puderam ficar para a noite e nós ficámos a pensar se voltaríamos a estar sexualmente com eles e ultrapassar o nosso record das duas vezes. Mesmo que isso não viesse a acontecer, gostávamos de estar simplesmente com eles. Por isso os convidámos para um programa familiar em que podiam trazer o rebento dele. Foi a Dupla de Peso que nos falou de um peddy paper pela capital, e eles aceitaram prontamente. Correu muito bem, ficámos em terceiro lugar e o miúdo também apreciou. Fomos os sete almoçar a uma hamburgueria simpática com comida deliciosa. Os músicos tiveram de ir andando para os anos de um colega do filho e nós fomos para casa da Dupla.

continua aqui

quinta-feira, 22 de março de 2018

Dança XXIII: enciclopédia do movimento corporal

Erik Satie's "Gymnopedie No. 1" by Fabio D'Andrea

Coreógrafa e bailarina: Teneisha Bonner


A Dança reflete a Música, num controlo perfeito do movimento do corpo, sincronizado com o som. Expressa emoções com linguagem própria, gramática e sintaxe, frases com conjugações verbais e motoras, numa composição harmónica e sotaque peculiar. Gostei!