quarta-feira, 26 de setembro de 2007

A primeira vez




Lembro-me nitidamente, estava a acabar de adolescer.
Nove e tal da noite, num desses cybercafés que floresciam na altura, com umas colegas.
Windows 95, mIRC, que coisa tão arcaica, ainda não tinha feito amizade com os computadores.
Fireworks foi o que mais me despertou a atenção e toca a meter conversa.
Escrevi qualquer coisa como: “Fireworks, que bom! Estou mesmo a precisar de efervescer!” A partir daí desenrolou-se o típico “De onde és, como te chamas, que idade tens, o que fazes” disso só me lembro que eu tinha o mesmo nome que um antigo amor. Depois silêncio. Ou melhor, vazio. Nem uma letrinha mais. O arcaico modem 56 Kb decidiu pregar-nos uma partida e perdi o contacto.
Foi um encontro muito breve com o desconhecido. O primeiro. De muitos. Mas nunca me esqueci deste porque foi o primeiro. Nunca mais me esqueço daquela excitação pueril que me levava sangue a galopar pelo corpo, os dedos atrapalhados à procura das teclas certas, a impaciência…

Quero voltar a sentir o que senti. Mas de uma forma mais calma e consciente. Quero aquela sensação intensa de desbravar o desconhecido, quero que deixe de o ser para se tornar agradavelmente familiar. Agora estou muito mais exigente e não me contento com pouco. Quero aprender, quero melhorar. Quero rir, quero chorar, quero sentir com todos os sentidos. Quero tudo, e estou na disposição de retribuir.

Onde estás tu, Fireworks? Estou a precisar de efervescer… outra vez.

1 comentário:

Vanderdecken disse...

«Estava a acabar de adolescer.»
Bastou esta frase para ficar agarrado ao vosso blog.
Abraço