terça-feira, 29 de janeiro de 2008

* Dança IV: dança oriental / tribal


Serpente Imortal, Las Nieblas de Avalon
Andava há que tempos para postar dança do ventre, mas nada do que tinha visto me empolgou, até encontrar esta Morgana, fundindo dança oriental tradicional com movimentos mais tribais, acompanhada por um som condizente.
Já viram serpente mais sensual e provocante?
Obrigada, Messenger

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Me amarro neste blog


Não conseguimos ser breves a decidir estas coisas, o facto de sermos vários nem sempre ajuda ao consenso, mas é uma coisa que fazemos com prazer, é um pretexto para divulgar blogs que gostamos de ler.

Agradecemos à Sentimental♥ a distinção e atribuímos o prémio a:

Diabo no corpo – porque prende, porque é delicioso :-)

Edifício Magnólia – intriga, suspense e sexo – os ingredientes certos para prender o leitor

Falo ao contrário – porque tem os dois lados da mesma história

Rubáiyát – porque amarra mesmo!

Tesão – porque é tesão puro e vicia

Escritores da liberdade

A Sarah, the Lady in Black atribuiu-nos o prémio “Escritores da Liberdade”, o qual nós agradecemos.

Cumprindo a regra, cabe a nós agora nomear 10 blogs (ai, ai, como é que se nomeia 10 blogs… quando se gosta de tantos) … aqui estão os 10 escolhidos, por ordem alfabética:

Blue velvet – pela forma como escreve, pelos assuntos que aborda

Entre Palavras – mais um blog didáctico que aborda sempre temas quentes

Excitações – escreve maravilhosamente bem, parece ter conhecimento de causa e tem fotos óptimas

Lua Feiticeira – pela imaginação, pela longevidade

Mandalas Poemas – pelos poemas, pelas mandalas, pelo sentimento

Minhas Lindas – pela abertura com que tratam o universo feminino bissexual

Motoconas de Marte – pela irreverência, pela consciência política :-)

Red light special – pela originalidade, fusão de Second Life com blog e pela sensualidade

Sexhaler – pelos tangos que gostamos de dançar com ela

Sexo anal – pelo didactismo e desmistificação que coloca no assunto – é serviço público!

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

futuro?

[traduzido da linguagem inter-galáctica para o português do século XXI]

- Venham cá, encontrei qualquer coisa!
- O que é isso?
- Não sei, parece um dispositivo de registo.
- Vamos levá-lo para o laboratório.


[clicar na imagem para ampliar]
...
..
.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Ao Sabor da Poesia


E então vai...

Em cada coração há uma casa
Um santuário seguro e forte
Para curar os amantes das feridas do passado
Até um novo amor aparecer

Eu falei com você em tons baixos
Você me respondeu sem pretensão
E ainda sinto que falei demais
Meu silêncio é minha auto-defesa

E cada vez que colhia uma rosa
Parecia que só sentia os espinhos
E então vai, e então vai...
E em breve você vai, suponho...

Mas se o meu silêncio te fez ir embora
Esse teria sido o meu pior erro
Então compatilharei esse quarto com você
E você pode ter este coração para quebrar

E essa é a razão dos meus olhos estarem fechados
Eles estão assim apenas para tudo que eu vi
E então vai, e então vai...
E você é único quem sabe

Então eu escolheria ficar com você
Se a escolha fosse minha
Mas você pode fazer decisões também
E você pode ter este coração para quebrar

E então vai, e então vai...
E você é único quem sabe



Tradução de "And So It Goes"
Legião Urbana

estererograma


Nunca poderei esquecer o primeiro estereograma que vi. Era um anúncio à TV Grundig 100 Hertz no Público, em 1995, altura em que os estereogramas eram moda. Sentei-me no sofá a tentar perceber como é que aquilo funcionava. Estive uma boa meia hora a olhar para um padrão verde, sem que acontecesse nada de especial, sem conseguir descortinar nada. Aquilo também não tinha instruções, pelo que fui seguindo o que o meu primo que conseguia ver sugeria. Tentei relaxar a vista, aproximar o jornal do nariz e ir afastando aos poucos, tentando focar um plano diferente que não o do jornal em si. Finalmente, a imagem encolheu, as cores vibraram, e consegui ver um plano transformar-se e revelar uma terceira dimensão: profundidade! FANTÁSTICO! O efeito foi tão arrebatador que dei um pulo do sofá e puff, desvaneceu-se. Mas eu li: “100 Hertz”, recortados sobre o fundo verde. Depois de experimentar mais uns bons 10 minutos, consegui ver de novo, desta vez a imagem expandiu-se e os “100 Hertz” saíam para fora. E consegui manter esta visão durante algum tempo, mexendo um pouco o jornal para perceber melhor o efeito tridimensional de dois níveis. Realmente fascinante. É uma forma de enganar o olhar e perceber que é realmente o cérebro que vê.
A partir daí, procurei tudo o que pude sobre estereogramas, para tentar perceber como funcionam e coleccionei um montão deles.

Quando alguém diz “Umm, acho que já estou a ver” é porque não está a ver absolutamente nada. Só quando alguém diz alguma coisa como “Caramba, é incrível!” completamente em êxtase é porque que está mesmo a ver.
E isto é como andar de bicicleta, pode ser um pouco mais difícil quando estamos destreinados, mas nunca se esquece :-)

Deixo então aqui o pequeno desafio que é descobrir o que esconde à vista desarmada este estereograma e o que revela quando visto com o cérebro. Para os principiantes, as instruções estão aqui também, é só clicar para ampliar. O estereograma também dá para ampliar. Boas visões!



Nota: existe um pequeno número de pessoas (cerca de 10%) que não conseguem mesmo ver estereogramas por questões fisiológicas (por exemplo, estrabismo).

domingo, 20 de janeiro de 2008

foi aqui...


... que os nossos corpos
se banharam, se satisfizeram
num banho


Exciting Photoshop



Um dos teus prazeres é editar fotos. Especialmente se forem de corpos. Gostas de os manipular, contornando, retocando, suavizando, realçando pormenores. Uma foto não editada é como um diamante não lapidado.
Ctrl+O
Esta foto faz parte de uma colecção de um strip feito ao som de Umbrella, da Rihanna. Inspiraste-te numa cena do
vídeo e por isso está metade a cores e metade a preto e branco.
(c) Crop Tool
Ajustas o enquadramento cortando a foto.
Ctrl+L
Começas a equilibrar os níveis de claro/escuro – é uma questão de sensibilidade, mas geralmente preferes escurecer, para que não fique tudo revelado.
Ctrl+A / Ctrl+C / Ctrl+N / brackground transparent /
Set foreground color: preto
(z) zoom tool
Ctrl+V / (e) eraser tool - brush

Não gostas do fundo original desta foto. Dizes que quanto menos ruído visual houver, mais destaque fica para o que é importante. Para o remover, utilizas uma borracha pequena mas difusa. A tua pen tablet ajuda bastante nesta tarefa, é sensível à pressão e muito mais intuitiva de usar que o rato. Vais contornando devagar as coxas, saboreando os contornos, chegas aos joelhos, passas pela barriga das pernas, até aos pés. Os sapatos têm mais recantos, perdes-te um pouco por lá. Adoras sapatos. Saboreias os pés aumentando a imagem com a lupa ao nível do pixel.
Alt+Clic e voltas a diminuir para um tamanho perceptível.
(m) Rectangular Marquee Tool / delete
Agora que o trabalho mais minucioso já está feito, o restante fundo poderá ser apagado facilmente seleccionando-o e apagando-o.
(e)
Escolhes uma borracha mais grossa e sem difusão para finalizar.
(b) Blur Tool
Voltas a contornar a silhueta com esta ferramenta para suavizar o contorno.
Filter / Blur / Blur – para desfocar subtilmente e tornar a imagem unifirmemente suave.
Layers – background
Set foreground colour: branco

(b) Brush tool – opacity: 1%
Vais ao layer de fundo preto e dás-lhe alguma profundidade criando uma zona mais clara junto aos pés, para não parecerem estar no ar. Usas um pincel largo e com bastante transparência e dás-lhe apenas um toque suave.
Ctrl+z
Não acertas à primeira, é normal, é uma questão de sensibilidade. Voltas a tentar e desta vez, consegues.
Layers – foto
Duplo click / Effects / Drop shadow / duplo clic – angle, distance, spread, size

Para dar mais realismo ao chão, há que acrescentar uma sombra nos pés. O ângulo da sombra tem de coincidir com o ângulo da luz para alguma verosimilhança.
Ctrl+A / Ctrl+C / Ctrl+N /Colour Mode: grayscale
Ctrl+A /Ctrl+V / Ctrl+V na janela da foto

Copias o layer da foto, transforma-la em preto e branco e voltas a colocar esse layer por cima do outro.
(e)
Agora é só pegar numa borracha enorme e difusa e apagar o layer preto e branco até aos joelhos.
Set foreground colour: vermelho blog
Text tool /Kunstler Script Font / Ctrl+T / Ctrl+click / angle:-90º

Para finalizar, acrescentas o logo.
Ctrl+S: pernas.psd
Image / Image Size/ resolution: 72 dpi / 500x741 pixel
Shift+Ctrl+S: pernas.jpg Quality:12

Guardas os ficheiros, um com a resolução original, outro para publicar no blog.
Esta foi apenas uma tímida foto de uma série de 40 que lapidaste. E que bem que te soube, não foi?


sábado, 19 de janeiro de 2008

Conselho


Meninos e Meninas,
se por acaso quiserem experimentar o efeito refrescante deste lubrificante, aconselho vivamente a que o façam diluindo-o num pouco de água fria. Vão por mim, não o apliquem nas zonas mais sensíveis sem diluir!

Mal posso esperar pelo calor para poder tomar um belo duche frio com sabor a mentol…



Para quem não consegue distinguir muito bem as cores, o frasco é o verde, não é o azul ;-P

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

balanço


4 meses de blog a roçar as 20 000 visitas. 128 posts quase diários, um sem número de comentários simpáticos. Achei por bem fazer uma pausa e pensar um pouco sobre o assunto. Agora que o entusiasmo inicial começa a dissipar-se em mim, começo a traçar novos planos, hipóteses de rumos vão surgindo na mente.

Pensar que tudo começou com uma surpresa à QJ, que eu e a Quimera recebemos com entusiasmo… pensar na excitação, na paixão com que abracei a ideia, com imensa vontade de experimentar. É certo que a qualidade de que falei no início nem sempre foi conseguida da minha parte, mas pelo menos tentei, com a melhor das intenções. É certo que desencantei e fiquei desencantada também, mas isso faz sempre parte do processo, não é? "paixão e mágoa", como diria Alguém…

Mas isto não significa que queira ficar por aqui, nada disso. Isto é cíclico. Outros entusiasmos surgirão, outras desilusões também. Vou preparar-me. Vou tentar estar mais consciente antes de agir. Não quero desiludir nem magoar ninguém, e quero evitar ao máximo que isso me aconteça.

Aqui pratica-se a partilha do prazer sensual, sensorial, até onde a imaginação nos levar. Se este processo nos fizer evoluir, conhecermo-nos melhor, se sugerir o conhecimento de outras pessoas – só temos a aprender com isso.

Agradeço-te QJ pelo "brinquedo", espero poder continuar a fazer (bom) uso dele até me fartar.

Para as pessoas que nos têm perguntado pela Quimera, devo dizer-vos que está bem, mas tem andado muito ocupada, pelo que não sabemos quando voltará às lides.

Peço-te mais uma vez, Quimera, que voltes e pelo menos termines o que começaste. Sabes que o tempo é o que fazemos dele, e no fundo é tudo uma questão de prioridades. Vê se encontras nesses teus dias tão preenchidos um bocadinho para fazeres a vontade a mim e a toda a gente que gosta do que tu trazes para aqui.

A todos os leitores, especialmente aos assíduos, agradeço o vosso retorno, espero que consigamos manter o vosso interesse desperto. Já sabem que podem sempre reclamar, bajular, sugerir o que quiserem. Têm os mails à disposição para um contacto mais privado. Bem–hajam!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Banho...

Acordei com o som da água a correr, pensei que era chuva, afinal estamos no tempo dela. Ai como o vento uiva lá fora, está frio. Contínuo a ouvir a água correr, acabo por acordar, mas estou tão bem no quentinho…
Bem tenho de ir à casa de banho, vou-me levantar, hummm que bem que sabe espreguiçar, porra para o vento continua a soprar forte, está frio!
E que raio, a água que continua a correr, devo ainda estar a dormir. Bem toca a levantar.
Olho para o meu lado… onde estás tu? Devia estar mais alguém nesta cama? E eu ontem à noite não sonhei, tinha-te aqui ao meu lado a dormir, adormeci junto de ti, a sentir o teu calor, o teu corpo, o teu toque, a tua excitação.
Tenho mesmo de ir à casa de banho!
Que nevoeiro é este? Hummm, afinal estas aqui na casa de banho, não foi um sonho ontem à noite e ainda bem, foi muito bom ontem à noite, a nossa excitação, o nosso calor, a nossa loucura, a chuva a cair lá fora, o sexo ardente cá dentro.
Mas tem lá santa paciência que eu quero mijar, pira-te daqui!

Ahhhhh! Estava a ver que não, sabe bem!
Olha… a banheira está cheia de água, bem apetecível para um banho a dois, de imersão…
Já podes voltar, despe-me! Eu dispo-te! Vamos os dois ali para dentro. Sim! Gosto de poder partilhar estes momentos contigo, sabe bem.
Sinto o teu corpo junto do meu, mergulhados assim na água quente, não sinto o frio, mas imagino o frio que está lá fora, e aqui nesta água quente tu e eu, aqueces-me a alma!
Sinto a tua mão a percorrer o meu corpo, a tocar-me com calma, com sensibilidade, estimulas-me os sentidos, o teu toque excita-me, sinto-me prestes a explodir!
Sim, sim, mais, quero mais, venho-me pelas tuas mãos, assim dentro de água, que sensação de liberdade [molhada].
Agora sou eu, também é te toco também tu te vens pelas minhas mão, sinto o teu corpo a vibrar com a aproximação do teu orgasmo.
Beijo-te, beijas-me, beijamo-nos! Fecho os olhos e deixo-me estar.

Provoco-te!
Provoca-me!!!

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

ok, do you want something simple?


The Gift, Ok, do you want something simple?
 
Ok, eu admito, estou apaixonada. Apanhei-me a olhar para ele, só faltava babar-me, que nojo. Não me sai da cabeça a voz dele, que chatice. Há-de passar. Vou aproveitar para canalizar isto para o trabalho, a ver se me inspiro. É isso, vou concentrar-me no trabalho, vou-me disciplinar.Que merda, tinhas de ser comprometido? E ainda por cima com uma mulher tão dotada? Que bom para ti…

Ele tem um feitio complicado, demasiado possessivo, nunca iria resultar. É demasiado grande, se for todo proporcional, não deve dar jeito nenhum engoli-lo, já para não falar do sexo anal.
Mas por que é que eu estou para aqui a desdenhar? É só porque quero comprar…

Eu não preciso de ti. Tenho alguns amigos com quem posso contar, mas é claro que não vou falar disto a ninguém. Tenho o Zé. O Zé está sempre pronto, só precisa que lhe mude as pilhas periodicamente, satisfaz perfeitamente a minha vontade de sexo e não me pede explicações nem me rouba espaço nenhum a não ser na gaveta das meias.

Dou comigo a imaginá-lo dentro de mim e estremeço, sinto um pulsar forte no clítoris sempre que me imagino a tocá-lo. No outro dia estava em pleno orgasmo com o Zé e gritei o nome dele. Ainda por cima já me deu a entender que eu não lhe desagrado sexualmente. Nunca resultaria. Mas por que é que eu tenho de ser tão complicada? Por que é que não o convido para vir até minha casa e tiro as minhas dúvidas? Se ele é comprometido, não é com certeza problema meu. Quero-o, quero-o desesperadamente! Aqui, agora!!
Esquece, o que eu sinto não tem espaço para ser pelo menos agora. Não faz sentido, tenho coisas mais importantes em que pensar, não vou deixar que se transforme numa angústia.

Ok, eu gosto mesmo dele. Gosto do espírito. Gosto quando ele olha para as novidades com o entusiasmo de um puto, sem medo da mudança. Gosto da forma criativa como ele pensa. Gosto do sentido de humor peculiar, sempre bem disposto. Gosto dos olhos, gosto das mãos, do sorriso… Estar com ele era muito confortável antes de me ter apercebido desta paixão, agora é um desconforto enorme, pareço uma adolescente que não sabe o que fazer com o corpo. Isto tem de acabar a bem da minha saúde mental.
É por isso que não te vou dizer o que se passa comigo. Posso até nem conseguir controlar isto muito bem, mas não vou facilitar. Vou afastar-me de ti lentamente. Também acho que não precisas de mim, mas se precisares, sabes que podes contar comigo. Vou dar-te espaço. Vou esperar para ver. Saber que estás bem, que estás feliz, tranquiliza-me.

Ok, eu amo-o.

domingo, 6 de janeiro de 2008

por falar em sobremesa...

video
The Matrix Reloaded
Reparem naquela mulher. Meu Deus, olhem para ela! Afecta toda a gente à sua volta. É tão óbvia, tão burguesa, tão enfadonha. Mas esperem… vejam, eu mandei-lhe uma sobremesa. Uma sobremesa muito especial. Eu mesmo a escrevi. Começa muito simplesmente, cada linha do programa cria um novo efeito, como… poesia. A princípio, um ímpeto, um calor, o coração palpita-lhe. Está a vê-lo, sim, Neo? Ela não compreende. Porquê? Será o vinho? O que é então, qual a razão? E em breve, não terá importância. Em breve, o porquê e a razão terão desaparecido, e tudo o que importa é o próprio sentimento. Esta é a natureza do universo. Debatemo-nos contra ela, lutamos para a renegar, mas é falso, é mentira! Para lá da nossa aparência composta, a verdade é que estamos completamente fora de controlo.
Estaremos mesmo?

sábado, 5 de janeiro de 2008

Gelado de canela e maçã assada

Existem vários tipos de provocações, deixo uma provocação doce e fresca, para adoçar a boca e o espírito!


* ingredientes

Para 8 a 10 pessoas
3 folhas de gelatina
água
15 g de farinha custarda
2 dl de leite
1 lata de leite condensado
1 colher de sopa de canela em pó
20 g de Vaqueiro
1 limão
4 dl de nata fresca


* preparação

Ponha as folhas de gelatina de molho em água fria.

Dissolva a farinha custarda no leite. Deite o leite condensado numa tigela, junte a canela em pó e o leite com a custarda dissolvida e misture muito bem com uma vara de arames. Junte a Vaqueiro e leve ao microondas durante 3 a 4 minutos na potência máxima, mexendo com a vara de arames de minuto a minuto. Adicione a gelatina escorrida e a raspa da casca do limão, misture bem, mude para outra tigela e deixe arrefecer.

Bata as natas, que devem estar bem frias, até ficarem espessas e adicione-as delicadamente ao creme anterior. Leve ao congelador e deixe gelar.

A acompanhar uma maçã assada polvilhada com canela

A receita foi tirada daqui

Bom apetite, e boas provocações!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

trocas de palavras... trocas de mimos. um diálogo

Queria beijar-te intensamente, deliciar-me com o sabor dos teus lábios.

Eu sinto-o, também quero! Muito!

Enrosco-me em ti, aconchego-me no teu calor, enquanto lá fora a chuva cai.

A chuva, ai a chuva, está a trovejar, raios e coriscos!

Sinto vontade de te possuir!

Quero, quero, QUERO!

Possui-me!

Se eu pudesse, agora mesmo…

Irra! Quero lamber-te!

Tem paciência, espera…


Engole-me!

Ummmmm!

Perdi-me, no teu corpo, delicioso, quente, envolvente, excitante, perdi-me nele e por aqui quero continuar.

Não pareces nada perdido, nem precisas de mapa, já conheces bem os caminhos que te levam ao êxtase…

Humedeço de excitação!

Também eu! E aqueço, ganho rosetas nas faces…

Encontra-me para me voltar a perder em ti!

Tão bom, perder para encontrar!


Toca no meu corpo, sente nas tuas mãos o resultado do teu toque.

Eu sinto, mesmo à distância, não é preciso corpo presente, basta a ideia, a mera ideia de te ter aqui, de te saber perto, tão perto, dentro de mim!
QJ + cv!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008


Noite fria. Estás sozinha, a tremer na cama gelada. Chamas-me e eu enrosco o meu corpo por trás do teu, deitado de lado com os joelhos para cima como um feto.
Tem calma, não te assustes, afinal, foste tu que me chamaste. Seguro-te com firmeza enquanto te debates. Sussurro-te ao ouvido para que te acalmes. Escusas de acender a luz, eu vejo com o coração. Vejo que és divina.
O sopro da minha respiração no teu ouvido. O teu corpo a estremecer, vai aquecendo colado ao meu. Vibras a cada sopro quente na tua orelha, a cada beijo no pescoço. Agarro-te na camisola e as molas desprendem-se, deixando-te o ombro a descoberto para eu beijar e fazer esse trajecto que vai do teu ombro à tua orelha, a morder com calma.
Rebolas o rabo contra mim, sinto as sacudidelas de prazer que te percorrem o corpo. Sinto o teu sorriso com as pontas dos dedos. Entro na tua boca, encontro os teus dentes a morder, a tua língua ávida, a sucção dos teus lábios…
Estou duro sim, consegues senti-lo com o teu rabo frio, deixa-me puxar-te as calças para baixo mas descansa, não te vou penetrar. Não pedi as camisas à Vénus e sei que não é isso que queres agora. Estou aqui para te aquecer.
Leio-te o corpo com as mãos, entro por baixo da camisola e encontro as tuas mamas redondas, estão quentes, com os bicos em pé, e não é do frio que já não sentes. As auréolas têm pequenas saliências em Braille a dizer: toca-me!, mima-me! E eu sigo as instruções.
Desço até ao umbigo, pelo centro, sinto a penugem, a tua respiração a encher e esvaziar o peito, o teu coração a bater forte… detenho-me no umbigo, rodeando-o em espiral até ao centro, acaricio a tua barriguinha quente e arrepio-te mais uma vez.
Desço um pouco mais e entro na densidade dos pêlos que te guardam a entrada do templo quente e encontro-o húmido. Tem pequenas saliências também, onde posso ler: ama-me! Tu suspiras. Convido-te a seguir-me com a tua mão, quero ver como te tocas, quero senti-lo. Assim, estou a ver…
Estás tão molhada, a deslizar em ti… entramos os dois, dançamos com os dedos entrelaçados a sentir a tua textura interior, a massajar-te o segredo que guardas e que eu consigo ler mesmo antes de tocar… é um prazer dar-te prazer!
És linda! Estás a ferver… vais explodir?... Linda, linda, linda!
Sorrio. Vou ficar aqui até adormeceres. Sempre que quiseres, chama-me.

Chama-te.
Toca-te.
Sente-te.
Ama-te!