quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Não Despir!

A noite está demasiado quente para espaços fechados mas tu insistes em conhecer um desses bares-discotecas que se dizem alternativos. Eu preferia ficar no hotel a matar a sede que tenho de ti mas cedo à tua vontade.

Escolho um vestido de poliéster justo até à anca e depois folgado o suficiente para me dar liberdade de movimentos a dançar e calço umas sandálias de salto alto que me dão um certo sex-appeal.

O bar é um espaço moderno e em quase toda a extensão da parede lateral exibe uma tela de dois corpos nus abraçados. No rés-do-chão é a pista de dança e no piso superior desenha-se um labirinto entre mesas baixas e puffs. O ambiente é descontraído, sem olhares incomodativos de homens a “babarem-se” ou de mulheres a avaliarem as roupas umas das outras. Percebe-se que parte da clientela é gay e isso só torna o ambiente mais interessante. Este é, sem dúvida, um espaço de liberdade, isento de preconceito!

Enterramos-nos os dois num puff delicioso enquanto saboreámos uma piña colada. Com um pouco de gelo mal moído na língua dou-te um beijo gelado e depois sussurro-te ao ouvido que não trago roupa interior. Está perto da verdade...

Nos casais à volta sente-se uma enorme tensão sexual presa entre beijos e carícias discretas e isso só aumenta o meu desejo. Tentas escapar às teias de sedução que te teço levando-me para dançar.

A música não é propriamente calma mas todos os pretextos são bons para te tocar, para me enroscar em ti. A evidência do teu desejo aumenta vertiginosamente enquanto me agarras por trás fazendo os nossos corpos balançarem num sobe e desce sincronizado com a música. A tua respiração ao meu ouvido provoca-me arrepios, os teus beijos no meu pescoço enlouquecem-me, as tuas mãos a descerem da minha cintura até aos meus caminhos de pecado aumentam a ânsia de te fundir no meu corpo...

Já sem fôlego encostamos-nos a uma coluna num canto da pista. As tuas mãos deslizam pelas minhas cochas e nádegas debaixo do meu vestido enquanto eu desaperto os botões das tuas calças.

Os meus saltos deixam-nos praticamente à mesma altura. Entrelaço uma perna em ti fazendo o teu mastro encostar-se a mim e, sem perceberes como, no instante em que aproximas a tua mão para afastar as minhas cuecas, faço-te entrar em mim num impulso!

Com o lusco-fusco das luzes intermitentes passamos despercebidos, ou assim parece. Sinceramente não me interessa se alguém nos observa! A intensidade do momento não me permite perder mais que uns milésimos de segundo a pensar nisso. Os gemidos perdem-se na amplitude da música, perdemos-nos ambos num vai-vem efusivo até explodimos de prazer com a intensidade de um furação!

Já no elevador do hotel perguntas-me se realmente estou sem roupa interior pois com a confusão de tecidos entre nós, apesar de teres a sensação que usava um fio dental estranhaste a facilidade com que me havias penetrado. Pergunto-te se queres verificar e tu acedes abaixando-te aos meus pés. Por debaixo do vestido descobres o meu segredo a espreitar entre rendas e dás-lhe um beijo!

Hummm... quero mais...



7 comentários:

MANDALAS POEMAS disse...

Hola, que placer es visitar tu espacio. Te envío un caluroso abrazo y una invitación a visitar www.mandalaspoemas.blogspot.com

Víctor

carpe vitam! disse...

realmente, essas não é preciso despir. e o roça roça nelas também é qualquer coisa de interessante! ;)

QJ disse...

ficam-te bem... e está mais que visto que são bastante práticas...

carpe vitam! disse...

ainda assim, gostava de saber como é que se abre assim a braguilha, sem dar nas vistas e se saca o mastro... convém não ser de botões, certo? Tenho de aprender esse savoir faire...

Quimera disse...

Obrigada meus queridos!

Carpe,fecho éclair é que não se aconselha porque magoa e no caso do homem não fazer depilação pode prender uns pelinhos!

Se pensarem bem, não é por caso a perninha à volta do companheiro - sempre ajuda a tapar alguma coisa! E bem encostadinhos tapa ainda mais, podendo mesmo ficar a dúvida sobre se estás a desapertar botões ou apenas a explorar terreno :-)

Beijos provocantes...

Anónimo disse...

Gostei do texto!
Acho que é de se louvar essas atitudes desinibidas e sem preconceito ou pudor.
ass:fbm

carpe vitam! disse...

fbm, aposto que sim, e que já foste beneficiado com essas "atitudes desinibidas e sem preconceito ou pudor"... ;)

Gostei do esforço pelo português correcto. Gracias, volta sempre!