domingo, 22 de junho de 2008

Inquietações do Corpo e da Alma - 5ª Parte

continuação daqui

Percorro as ruas sem pensar no percurso. Não consigo explicar a mim mesma porque raio me fui meter na cama de um desconhecido. Passo por casa para tomar um duche e apesar do marasmo próprio de quem acorda de ressaca, ainda consigo despachar-me a tempo de ir trabalhar.

Estou com péssimo aspecto e sem maquilhagem não consigo mesmo disfarçar a noite mal dormida. Sujeito-me aos comentários dos colegas com especulações sobre como terei passado a noite. Afinal a funcionária exemplar, de aspecto cuidado e com ar de quem não quebra um prato, pela primeira vez, aparece com ar de quem andou na boémia a noite toda.

O Sérgio chega ao escritório aquando a mim mas face à situação, apenas esboça um sorriso de quase cumplicidade. Pelo menos ele, que me conhece mal, não está à espera que eu seja perfeita.

Depois de uns quantos cafés que o Sérgio se oferece para me ir buscar, já me sinto mais acordada. Sem perguntas ou confidências feitas, sinto nele uma espécie de apoio.

O dia arrasta-se, tarda em acabar. Mas por outro lado também não quero que acabe. Não sei como irei encarar o Carlos esta noite. Pareço uma miúda que perdeu a virgindade e tem medo que a mãe perceba. Já decidi que não lhe vou dizer nada sobre a minha one night stand. Acho que não vale a pena magoá-lo com isso. Não agora!

Quero apenas perceber o que significou esta noite, entender até que ponto isso tem alguma coisa a ver com o meu namorado e depois sim, tomar uma decisão friamente.

Eu gosto dele! Cresci com ele, como poderia não gostar!? Será que a compreensão, o carinho, tudo aquilo que construímos é suficiente para “vivermos felizes para sempre”? Será (só) isso o Amor?!!!

13 comentários:

carpe vitam! disse...

sim, parece-me ser amor sem paixão...

Charmoso disse...

Alguém sabe o que é o amor???

Acho que não . . .

morango disse...

o amor é como a fruta: cada uma tem a sua época!!!
Mas algumas têm épocas concomitantes...

carpe vitam! disse...

"Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe porque ama, nem o que é amar
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência, não pensar."
Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos

Anonimo do Algarve disse...

Boa questao ser ou nao ser, amar ou nao amar.

Pekenina disse...

Pura coincidência, acabo de postar sobre essa questão. Acho que cabe a cada um de nós dar a resposta.
Beijo*

Mikecam2k disse...

nice :D

Quimera disse...

Pekenina, esta ideia ja estava em mente mas solificou-se com a nossa conversa. Obrigada pela inspiração!

Quimera disse...

"Amor sem paixão"- às vezes pergunto-me se saberei viver com isso. Sou apaixonada por natureza mas nem todos somos assim. Será possivel viver apaixonada unilateralmente?

Mtas perguntas sem resposta.

Obrigada pelos comments,

Beijos provocantes!

carpe vitam! disse...

quimera, não creio que seja possível viver sempre em estado de paixão, já viste o cansaço? Mas acho que é possível dosear e equilibrar estados de paixão com outras fases menos boas. Acho que a paixão é cíclica como as ondas do mar.
claro que a paixão pode ser vivida por apenas uma pessoa, acho que é contagiante, mas não contagiamos necessariamente as pessoas que queremos.
pelo menos, é o que o eu já experimentei.

lalisca.cs-life disse...

O amor tem que ter excitação calor despudor loucura tesão tudo, se não tiver talvez seja uma grande amizade!!!
beijinhos

...mas olha isso do amor tambem não é muito compreensivel...

carpe vitam! disse...

lalisca, não será a amizade uma forma de amor? Não existe amor sensato?

Pekenina disse...

Quimera: ora essa! =) Sempre que precisares ;-
Lá está... é aquela eterna frase "Amor de uma forma...não convencional" hehe

Beijo*