segunda-feira, 1 de abril de 2013

swingin' (in the rain) parte 18

continuação daqui | início

Aparentemente são pessoas normais, um pouco mais velhas que nós. Claro que normalidade é forma de dizer, quase toda a gente parece normal antes de se conhecer. Depois disso é que "normal" se pode tornar num adjetivo pejorativo. Ela estava bastante reservada, na defensiva, mais do que ele. Claro que, sabendo o que sabíamos, não conseguimos deixar de imaginar como seriam eles na intimidade... A conversa foi agradável, mas estava como o tempo, um bocado fria. Não deixámos de ser estranhos com uma ou duas coisas em comum, a partilhar ideias. Podíamos fazê-lo sobre diversos assuntos, mas a insularidade (talvez por não nos ser comum) interessa-nos bastante. Pela forma como muda as pessoas. Claro que tendo oportunidade, não deixaríamos de nos voltar a encontrar.
E foi o que fizemos. Eles são adeptos da pescaria. Elas não mas gostam de conversar e passear, pelo que apesar de não ser o tempo ideal para o passeio, foram com eles. Depois de algum tempo de engonhanço, fizeram-se ao caminho. Eles ficaram a dar banho ao isco e a trocar confidências sobre... particularidades físicas e afins. Elas caminharam à beira da estrada e do mar, por entre carros e pinheiros, a falar sobre o passado e o presente e as pessoas que se cruzaram com ambas. Sendo uma cidade pequena, não admira. Voltaram, por um caminho que não lembra ao diabo porque a Yin se distraiu na converseta, mas chegaram. Estava frio. A Yin tinha levado um livro e o Yang o portátil, não chegaram a usar nenhum porque todos quiseram ir embora para paragens mais quentes. Não quiseram jantar connosco, tinham coisas combinadas e o tempo tinha de chegar para se dividirem pela família. Não se foram embora sem ser convidados para passarem connosco o reveillón.

continua aqui

4 comentários:

mensageira disse...

A cor da letra nao foi especialmente bem escolhida, embora contornável...
De resto continuarei a seguir as vossas publicações... :)

carpe vitam! disse...

Problema da cor to texto resolvido. Volta sempre que queiras ;)

lusoma mar disse...

gostei do texto emboara ache que poderia ser mais curto sem deixar de ser expressivo na narração ou mensagem que adorei e vou continuar a procurar,,

Provoca-me disse...

na parte 17 desta narrativa, logo no início, encontra-se a razão de ser o os objetivos. és livre de continuar a ler ou não. seja como for, boas procuras ;)