quarta-feira, 3 de abril de 2013

a matemática do sw

imagem por Jaison Cianelli + carpe vitam!
texto por kasalkerkasal

(1 + 1 + 1 + 1) = 4

Bem sei que isto do sexo não é uma ciência exata como a matemática, mas perdoem-me os mais sentimentalistas e menos racionais, para mim, (1 + 1 + 1 + 1) são 4, ou pelo menos deveriam ser. São raros os casais que conseguem pensar desta forma quando decidem experimentar partilhar a sua intimidade com outro casal. Repare-se que não gosto de usar a tradução de “troca de casais” para a expressão inglesa “swing”, porque no fundo trata-se de uma partilha e não de uma troca. Trocam-se carinhos, carícias, fluídos, paixão, mas partilham-se intimidades, casais.

Mas voltemos à matemática.

Após muitas conversas com outros casais em fóruns ou salas de conversação conhecidas do meio ou mesmo pessoalmente, percebi que muito poucos aceitam esta ideia que no swing (1 + 1 + 1 + 1) são 4. Para a grande maioria 2 + 1 + 1 são 4 ou 3 + 1 são 4 ou (1+1) + (1+1) são 4. Nas divisões e nas multiplicações, normalmente concordamos: dividimos os esforços para multiplicar o prazer…ou será que multiplicamos os esforços para dividir o prazer? Bem, agora fiquei baralhada. Eu estava nas adições…

Esquisito?

Passo a explicar…

Para mim, para que o 4 tenha verdadeiramente significado de 4, ou seja, para que o swing seja plenamente usufruído por todos, terá de haver envolvência de todos com todos. Tem de haver partilha total de todos os corpos por todos os outros. Trata-se de sexo, portanto, são 4 corpos, não são 2 mulheres e 2 homens. Todos aceitam 3 + 1, ou seja, 2 mulheres + 1 homem, e o outro a servir de cabide, todos aceitam 2 mulheres (uiiii) + 1 homem + outro homem, a deliciarem-se com a cena, grande parte ficou fã de (1 homem + 1 mulher) + (1 homem + 1 mulher, sejam os respetivos ou os trocados, no entanto pouco são os que têm a minha visão de que (1 + 1 + 1 + 1) são 4.

Matemática à parte…

Sendo mulher e, como tantos outros de nós, fruto de uma educação mais tradicional, com valores mais conservadores, demorei algum tempo a chegar a esta conclusão. Não porque não perceba muito de matemática, mas porque a ideia de poder partilhar o “meu homem” com outro homem fugia aos padrões. Mas a idade trouxe-me também alguma maturidade e maior tolerância perante o preconceito. Sim, porque não passa de preconceito. Sexo não tem idade, sexo não tem cor, sexo não tem religião, sexo não tem (ou não devia ter) género sexual.

Não estou a apelar à bissexualidade generalizada… tipo, vamos todos ser bissexuais agora! Está na moda! É o que está a dar! Nada disso! Prezo muito as minhas escolhas e não troco o meu marido por outra mulher( porra… as mulheres ainda são mais chatas que os homens). Mas isso é a minha vida, o que escolhi para mim. Outra coisa são os momentos íntimos que partilho em determinados momentos. O swing não é a minha vida, apesar de ser chamado de “lifestyle”, não é o meu estilo de vida, não concedo a ideia de ser definida ou rotulada a partir de momentos, deliciosos e importantes claro, mas pequenos momentos numa vida que espero longa e preenchida com tantos outros momentos de outro cariz. No meu swing sim, sou bissexual, trissexual se assim fosse possível, sou acima de tudo um ser sexual. Só assim usufruo desse momento na sua plenitude. Só assim (1 + 1 + 1 + 1) são 4.

Comentários? São bem vindos, mas já sei que vão dizer que estou a fazer “a quadratura do círculo” ou que têm de fazer “a prova dos 9” para poderem responder, mas pensem bem no assunto. Não será que (swing – preconceito) = prazer2?

24 comentários:

carpe vitam! disse...

E se 1+1+1+1=1? E se o resultado fosse sempre 1, independentemente do número de pessoas participantes?

Kasalkerkasal disse...

Não percebes mesmo nada de Matemática :)

carpe vitam! disse...

Vou aceitar isso como um elogio ;P

Olha o que encontrei: http://maxwelldemon.com/2011/11/20/22-1-patterns-in-modular-arithmetic/
não percebi nada, mas gostei da parte visual ;)

Pinhal Man disse...

OK, deixo aqui a perspectiva de um curioso e não de um praticante de swing (perdoem-me a ousadia de pensar que estando de fora, consigo perceber algo sobre o assunto):

Vejo a relação num swing como a relação entre 2 seres. Cada casal consegue ter um pensamento uno e coerente. Cada um dos membros sabe o que o outro deseja e só quando os dois estão de acordo, avançam num relacionamento com outro casal. E mesmo que estejam mantendo relações "per si", nunca deixam de funcionar como casal e de tirar prazer do prazer do/a parceira/o. Contudo, ainda assim, cada um poderá obviamente tirar uma satisfação pessoal do envolvimento...

Como é que isto se representa matematicamente? Bem, a primeira parte da equação parece-me claramente um "(1+1) + (1+1)"; do outro lado, poderá existir uma multiplicidade de resultados, sendo que, no limite, se cada um interagir com os restantes 3 participantes, teremos algo como 3x4=12...

Demasiado optimista? ;)

Provoca-me disse...

Uma coisa eu já testei: prazer partilhado é prazer multiplicado. Pode ser uma progressão aritmética exponencial.
Agora o que o homem das pinhas está a propor poderão ser combinações interessantes... ou serão arranjos?
Ah! Combinações! Porque a ordem não interessa =;D

Anónimo disse...

Nao percebes nada de swing .

Provoca-me disse...

E queres fazer a gentileza de nos elucidar sobre o assunto?

shakti disse...

Já sigo este blog faz tempos...até porque sendo adepta e particante de swing gosto do que aqui vou lendo, mas nunca tive a necessidade de comentar, até que li este post...li , fui refletir sobre ele (até porque para mim o swing era (1+1)+(1+1)=4...digo era porque pensando melhor acabo por chegar à conclusão que é mesmo 1+1+1+1=4.
O preconceito é que o torna (1+1)+(1+1)=4, ou até 3+1=4.
Infelizmente este tema ainda é considerado tabu e está intimamente relacionado com preconceito e muitas das vezes equiparado à traição consentida.

Desculpem a minha intromissão, mas não contive em deixar a minha opinião .

shakti disse...

*praticante

Sorry...

Alien David Sousa disse...

Gostei do texto.

"para que o swing seja plenamente usufruído por todos, terá de haver envolvência de todos com todos. Tem de haver partilha total de todos os corpos por todos os outros. Trata-se de sexo, portanto, são 4 corpos"

No que toca ao preconceito há muito que se lhe diga. No entanto acho que essa "partilha" não é para todos. Nem todos os terrestres se sentem à vontade nesse ambiente de partilha, de ver o seu homem ou mulher a desfrutar do 1+1+1+1

Não tenho nada contra, até já ouvi que torna a vida amorosa do casal mais intensa e próxima. Mas é como tudo na vida, eu não gosto de chocolates mas a minha melhor amiga é capaz de viver só de chocolates. Por sua vez eu sou viciada em coca-cola e ela em compal.

Não sei se me fiz entender...mas tentei

Saudações alienígenas para a colaboradora e kisses para os meninos do provoca-me

Ser. Como. Agua disse...

Suponho que a situação (1+1) + (1+1) seja a mais frequente.
Havendo derivados como os tais mencionados 2 + 1 + 1 = 4 ou 3 + 1 = 4.
No entanto, pessoalmente não considero 2 + 1 + 1 = 4 ou 3 + 1 = 4 como swing.

A ideia de 1+1+1+1=4 seria a melhor forma para integrar todos de forma suavizar os sentimentos de todos,..penso eu.

No entanto,.. isso requer de facto bissexualidade, tanto da parte delas como da parte deles.
Se elas por norma são mais abertas a isso,..menos complicadas e tem menos complexos (eu disse por norma, não sempre),..
Eles por norma,.. não estão nada virado para isso (e novamente digo por norma).
Os homens são muito mais complicados, tem muito mais complexos, são muito mais fechados, e são muito mais inseguros em relação a si próprios quando se toca na bissexualidade.

Quanto a matemática,... acho mais aplicável a geometria.

Imaginamos um quadrado, tem portanto 4 pontos (4 ângulos de 90º), seja cada pessoa é representada por um ângulo de 90º.
Agora imaginem que esses ângulos pudessem ser alterados da seguinte forma;
1) Exclusivamente hetero - mantém =90º
2) Bissexual - da direito a retirar -43,43º
3) Versátil - da direito a retirar -43,43º

O resultado podia portanto ser; 90º ou 46,57º ou 3,14º

O porquê disto?

Porque define para mim o quanto completo ou perfeito uma relação a 3 ou a 4 ou mais pessoas é (para mim,..não quer dizer que tenha que ser para outros).

Como?
90º - (43,43º+43,43= 86,86º) = 3,14º
O que é especial em 3,14º ?

3,14º é o PI

3,14º É o que faz de um quadrado um circulo.

E um circulo,.. é muito mais harmonioso do que um quadrado,.. é um enlaço perfeito, sem inicio, sem fim, sem união, sem adaptação, sem curvas, ou ângulos, o circulo é um ser perfeito, representativo de uma envolvência de todos com todos.

Uma situação em que não há macho nem fêmea sou existem seres sexuais;...
Todos são machos para todos,.. e todos são fêmeas para todos.

Claro que 1 ou mais elementos de um grupo de 2, 3 ou 4 pessoas,..se podem considerar;
Só Hetero,
Ou BI,..mas não versátil,.. seja somente Passivo,..ou só Activo,..
Então nestes casos,..
O primeiro fica a 90º quebrando de forma definitiva o circulo ou forma elíptica.
O segundo só pode descontar 43,43º dos seus 90º, sobrando 46,57º, dando origem a uma forma elíptica, que apesar de não ser redonda, mantém um traço +/- harmonioso, sendo necessários 2 curvas mais acentuadas.

De qualquer forma basta um ficar de fora e não alinhar nas duas coisas para,..deixar de haver um circulo perfeito,..dando origem a outra forma geométrica.

Quanto a bissexualidade, ou não, tentar ou não, cada um sabe de si.

Seja eu concordo com o ponto de vista de 1+1+1+1=4
Mas são poucos que embarcam num barco desses.

Só não concordo com a Matematica,.. prefiro a Geometria,...a final os nossos corpos tem formas geométricas !
;)

KasalKerKasal disse...

Só pelo comentário que a shakti fez já valeu a pena termos escrito este pequeno texto.
Mas também nos congratulamos pelo facto de a nossa perspetiva do sw, 1+1+1+1=4, não ter provocado fobias nos restantes comentadores.
Isto significa que caminhamos para uma sociedade menos padronizada.
Se quiserem entrar em contacto connosco o nosso endereço de correio eletrónico está no link da autoria do texto.
Teremos todo o prazer em recebermos as vossas opiniões na nossa caixa de correio eletrónico.
Beijos

Anónimo disse...

Swing.

Certamente já ouviu termos como "swing" ou "swinger" . Por todo o país têm aumentado o número de casais que tem uma forma diferente de encarar o sexo no casamento. São pessoas de todos os estratos sociais, culturais, económicos e etários, com uma enorme vontade de viver e que adoram aproveitar todos os pequenos prazeres que a vida lhes proporciona. Gostam de se divertir, de “jantaradas”, de dançar até tarde numa discoteca, de beber um copo num bar, de conviver... e, claro, de sexo, muito sexo!

Os swingers encaram o casamento como um partilhar em pleno de uma vida a dois, valorizando a fidelidade mental e não a física. O casal swinger é, pois, desprovido de preconceitos em relação à sexualidade. No fundo, são libertos de tabus e dão vida às fantasias, com outros casais, aceitando que o seu parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas. Contudo, o envolvimento entre swingers é puramente carnal. Nunca sentimental.

Várias são as palavras relacionadas com o swinging, tais como pornografia, promiscuidade, orgias, depravação, libertinagem... Cada casal tem a sua interpretação de swinging. No entanto, um dos principais objectivos dos swingers é estabelecer relações de convívio com outros casais, que venham a enriquecer a vida conjugal, por isso não encaram o swing como algo depravado ou libertino.

Anónimo disse...

Aprende um pouco só depois podem falar de alguma coisa .

Mal Educado disse...

eu cá bem que pensava que a porra do swing era aquela merda que os maricas que jogam golfe faziam mas enfim...

essa merda de gajos e gajas juntas na ramboiada parece ser uma coisa gira de se fazer... espero que seja permitido levar tintol para essas festas :D

já agora e depois de tão esclarecedor texto e parece-me que é bonito sitar a fonte de onde se copia

http://www.cheztolib.com/pt-pt/swing.aspx

mas destas merdas parece-me que todos podem falar e saber sempre pouco.

eu cá não percebo nada desta merda, só percebo mesmo de tinto e caralhadas...

pronto vou voltar para a minha caverna.

Anónimo disse...

desculpem nao ter dito a fonte do texto (esqueci-me)

Anónimo disse...

Swing é uma nova moraldo amor, uma realidade sociológica de importância, com milhões de adeptos em todo o mundo. Tendo como base casais, o swing vai muito para além disso...
Cada swinger encara esta realidade como uma busca da sua particular felicidade. Individualmente liberal, parte para uma nova forma de viver e de fazer reviver o seu amor, que o levará a questionar muito do que tinha como garantido.
Por trás de todas as virtudes que praticamos existe um prazer encoberto. E quando aceitamos a dor, é geralmente porque esperamos que isso se reverta no gozo futuro de um prazer maior.
Por isso não existe uma felicidade certa, a não ser aquela que construímos para nós à custa do nosso corpo e mente e da nossa moral. A haver uma felicidade errada, seria aquela que é construída à custa da infelicidade dos outros (coisa não tão rara quanto isso). Como tal, quando eu falo em prazer refiro-me não só aos sentidos mas também aos sentimentos. Ao prazer que se tem em trabalhar em favor da sociedade, ao prazer de agradar, ao prazer em ver os filhos crescer saudáveis, a esses e a todos os pequenos prazeres.
Não repudie a busca de prazer como se de um vício se tratasse, pois essa é a expressão verdadeira e inata da sua natureza humana, bem mais importante que a sua natureza social, produto do meio em que vive.
O ser humano procura uma única coisa na vida: o prazer. Se se encrespou com esta opinião, é porque é uma pessoa bafejada pela religião, que atribui à palavra "prazer" um significativo depreciativo. Pensou unicamente no prazer dos sentidos. Talvez se tivesse usado o termo "satisfação" se sentisse mais confortável, porque para si o homem procura a felicidade e um homem satisfeito é um homem feliz. Mas a felicidade é apenas um ideal, obra da imaginação. Tem apenas a ver com a forma como sentimos, que por seu lado depende do sucesso ou insucesso da satisfação das expectativas que cada um tem da vida. Mas nada me demonstra que o homem só se preocupa com o propósito final da suprema felicidade, para muitos, nos dias de hoje, um dia feliz, por si só já é uma bênção. Além de que, o que a si o faz feliz pode desagradar imensamente a outra pessoa. Contudo, um denominador comum existe em todos: a procura do prazer e a satisfação das suas necessidades. Essa é a força anímica que carrega a humanidade - se o homem aceitasse a dor e o sofrimento, a raça humana estaria extinta há muito tempo.
Esta nova moral do amor é uma realidade sociológica de importância, com milhões de adeptos em todo o mundo, tornando-se, por isso, um assunto incontornável. Será uma audácia falar nele; escandaloso seria ignorá-lo.
A comunidade swinger pode ser uma sociedade paralela, mas não é uma sociedade obscura. Dela fazem parte advogados importantes, quadros de empresas, gente do desporto, detentores de cargos públicos, músicos, dentistas, professores ou até um antigo presidente de uma grande potência. Não é, certamente, uma sociedade às avessas, onde os valores sociais se extinguem, eles existem, só que colmatados e equilibrados por outros valores de ordem sexual e uma moral diferente.
Se este estilo de vida, como é afirmado, propicia aos seus praticantes uniões mais intensas, enriquecimento das suas vidas e uma maior felicidade, então será algo que devemos olhar mais atentamente. Se esta é uma solução para combater o casamento que institucionaliza a ideologia burguesa de segurança nulificadora da vida emocional das pessoas e torna a vivência uma mesmice; então, esta é uma solução digna da nossa reflexão. Mesmo que cheguemos à conclusão que para nós não serve. Pois se pecado existe... é o pecado da ignorância.
De todas as aberrações sexuais, a castidade é a mais estranha.
Anatole France
Swing de Júlio Morgado

Anónimo disse...

desta vez nao me esqueci :)

Ser. Como. Agua disse...

Bem,.. Mal Educado,.. que só percebe de tinto e caralhadas, e que vive numa caverna.

Esse link,... que cita tudo,.. foi um grande,.. touché,.lol

Um autentico strike,...

Assim como quem supostamente nada percebe,...do assunto, desarmas os "pins" de quem parecia quer fazer transparecer tudo perceber do assunto.

Plágio,...(copiar ou assinar uma obra com partes ou totalmente reproduzida de outra pessoa, dizendo que é sua própria),...fica tão mal.

carpe vitam! disse...

Muito se tem escrito e comentado sobre o tema, o que eu acho positivo, embora confuso. Não sou especialista no assunto, tenho apenas algumas ideias e experiência sobre o que eu gosto na convivência sexual entre várias pessoas e devo dizer que se o swing é como essas definições enciclopédicas que aparecem quando se pesquisa na net, não me interessa, não é isso que quero. Eu quero partilha, não apenas de corpos, mas também de mentes. Quero o Sentir todo. Quero pessoas que saibam o que querem ou, não o sabendo, estejam dispostas a descobri-lo sem dramas. Quero o 1+1+1+1=1, mas se não for possível, quero experimentar todas as outras combinações. Quero lá saber se isso é swing ou não...
E dizer que os swingers não têm preconceitos... enfim, eu pelo menos não os tenho ao ponto de achar que não os tenho. E esforço-me por os ir eliminando.

Anónimo disse...

atenção eu nunca disse que os textos eram meus mas sei mais que aquilo que julgam (obrigado)

Provoca-me disse...

Caro(a) Anónimo(a): nós agradecemos e incentivamos todas as participações que cumpram as regras básicas da boa educação. Uma delas é citar as fontes. Claro que toda a gente sabe ir ao Google escrever swing e debitar o que encontra. Não é isso que procuramos. Se sabes mais do que aquilo que dizes que julgamos (apesar de não crer que tenhamos julgado alguma coisa) fica aqui o repto para que nos digas, na primeira pessoa, o que tens a dizer sobre o assunto. Aceitas?

lusoma mar disse...

Mas ´terá alguma afinidade ,casual ou intrepetação cruel a afirmação de alguns que atribuem ao swinger quem tem apetencia bissexualidade.?

carpe vitam! disse...

WTF? Não percebi a pergunta, Lusoma.