sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Conto de Natal

Chegas-te junto de mim, sussurras-me ao ouvido, de forma doce e quente:

- Desejo-te!

O meu corpo estremece com as tuas palavras, sim com as tuas palavras, não são banais, são sentidas de desejo.

Beijas-me o pescoço enquanto eu tento voltar a mim, o meu eu, já pula de excitação.

Mas temo-nos de nos conter, ter paciência, ter calma, ainda não é a altura, estão demasiadas pessoas a olhar, a ver, esse teu beijo provocante deixou alguns olhos em nosso redor meio acesos.


Temos de sair daqui, temos que encontrar um canto resguardado para acalmar o nosso desejo ávido de prazer.

Encontramos ali bem perto, um pequeno cantinho resguardado, temos de ter cuidado, estamos na rua, as pessoas passam, nunca se sabe muito bem quando é que podemos ser apanhados.

Os nossos corpos encontram-se quentes de desejo, sedentos de prazer, roçamo-nos um do outro, as nossas roupas discretamente desapertadas, mostram pedaços dos nossos corpos seminus, finalmente os nossos sexos se encontram, unimo-nos, temos de ser rápidos, nunca se sabe quem pode passar mais perto e ver-nos assim nestas tórridas andanças, a aventuramo-nos nos nossos prazeres escaldantes em locais menos privados.

A nossa excitação aumenta à medida que a nossa união aumenta de intensidade, a nossa respiração vai acelerando cada vez mais os nossos corações batem, ritmadamente cada vez mais depressa, finalmente chegou, rápido mas intenso, arrebatador, misturado com a excitação de não sermos apanhados.

Tentamos acalmar a nossa respiração, acalmar o resto do nosso espírito, pois a gula por agora está satisfeita.

Por fim, voltamos para junto de todos os nossos colegas que animadamente se divertiam na festa de Natal…

Feliz e delicioso Natal…................. Provocante!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

provocação gratuita 47

“A beleza é exterior: não é interior. Não só não importa o que está no interior, como provavelmente ajuda. O carácter tem uma certa tendência para arruinar a aparência.”

gracias, Fabulástico

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

apetece-me!

Sinto um desejo tremendo de te beijar, de te ter aqui junto de mim, tenho saudades do teu corpo, do teu respirar arfante de desejo, do… quero! Dá-me!

Mas hoje estou só, mas o meu corpo pede, estive a ler uns textos excelentes, de conteúdo inebriante e escaldante, tenho de dar os parabéns ao autor, estão muito bem escritos.

Mas o meu tesão aumenta, com certos textos criei as respectivas imagens, preciso de me acalmar, tenho de me aliviar, de relaxar o meu corpo e o meu espírito.

Amanhã estaremos juntos os nosso corpos vão-se novamente encontrar, iremos percorrer as linhas do nosso corpo já tão bem conhecidas, como de novas estradas fossem, gosto de percorrer o teu corpo, cada viagem, é como se fosse uma viajem ao desconhecido, à aventura, gosto de te ver reagir ao modo como te toco, os arrepios, o estremecer, o teu corpo reage, também eu reajo quando te toco, o meu tesão aumenta e também reajo quando me tocas, me deixas completamente a arder de desejo.

Mas hoje estou só, e apetece-me… aliviar o tesão que sinto, acabo por usar a velha técnica da mão amiga...



Satisfaço-me, alivio-me, expurgo-me, fico em pulgas à tua espera amanhã!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

um pequeno olhar

POST ELIMINADO PELO AUTOR

O ARTISTA QUE AQUI ESTAVA NÃO TEM DIGNIDADE PARA SER REFERENCIADO NESTE BLOG

domingo, 14 de dezembro de 2008

diálogos (im)prováveis VI


ela: como será que se diz asa vazada em inglês?
ele: nem sei. wing vasation?
ela: lol, parto o côco a rir com o tradutor do Google!
escrevi asa torcida. sabes o que é que ele respondeu? ASA FANS lolololololololol o que eu me ri!
ele: lol
ela: depois optei por twisted wing. twisted wing é giro!
ele: lol
ela: e se for embeded wing? sabes aquelas asas dos sacos de plástico, que são recortadas no próprio saco? acho que vou fazer uns desenhos..
ele: ok. vê lá se vês algo erótico nisso lolol
ela: em asas de sacos? eu pegava nelas e punha-me a voar daqui para fora! um montão delas coloridas, um grande saco a fazer de balão de ar quente! e depois quando estivesse lá em cima, sozinha ou bem acompanhada, despia-me...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

provocação gratuita 46

"Amar é sofrer. Para evitar o sofrimento, não se deve amar. Mas, depois sofre-se por não amar. Assim, amar é sofrer; não amar é sofrer; sofrer é sofrer. Estar feliz é amar. Estar feliz, então, é sofrer, mas sofrer faz-nos infelizes, assim, para se ser infeliz, deve-se amar ou amar para sofrer ou sofrer de demasiada felicidade."

Woody Allen, Amor e Morte

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

diálogos (im)prováveis V

Woody Allen, Play it Again, Sam

- É um belo Jackson Pollock, não é?
- Sim, é.
- E o que é que lhe diz?
- Fala sobre a negatividade do universo. O odioso vazio solitário da existência. O nada. O predicamento do homem forçado a viver numa eternidade sem deus, como uma pequena chama a tremeluzir num vazio imenso com nada a não ser desperdício, horror e degradação, formando um espartilho inútil e desolador no preto, absurdo cosmos.
- O que vai fazer no sábado à noite?
- Cometer suicídio.
- E na sexta?