sexta-feira, 28 de março de 2008

quinta-feira, 27 de março de 2008

Um beijo!

Por aquilo que somos feitos lollipops-sour-labios

Por aquilo que somos e queremos ser

Uma provocação….
Queria dar-te um Beijo!!

imagem retirada de The Learning Journey

domingo, 23 de março de 2008

sexta-feira, 21 de março de 2008

segunda-feira, 17 de março de 2008


...a voz desta mulher. tenho os pelos todos em pé, inclinados na direcção das colunas de som. nos braços, nas pernas, na nuca. Não me arrepio com qualquer coisinha, mas os agudos cristalinos desta soprano têm qualquer coisa de divino:





Maria Callas, A Rainha da Noite



existem mais algumas coisas que me deixam assim, numa sensação que eu não sei bem como definir, é estranho. mas geralmente significa que estou a passar por uma boa experiência :-)
acontece com alguns sons, e com alguns toques, com alguns sabores ou aromas. raramente me arrepio com o que vejo.
a seu tempo, trarei aqui alguns desses arrepios.

imagem: gettyimages, com um arrepio meu

quinta-feira, 13 de março de 2008

ela já me veio visitar!

estas são as flores do meu jardim que anunciam a Primavera:


são frésias (gracias, Cristina!) têm um perfume intenso, doce, quente, envolvente, que pena não conseguir reproduzir aqui!..


Depois do Inverno, morte figurada,
A primavera, uma assunção de flores.
A vida
Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.

Miguel Torga, Glória, Diário XIV

como te desejo! que bem que sabes, prima vera! :-)

terça-feira, 11 de março de 2008

ó VERA, quando é que chegas?

Estou cheio de saudades tuas, do teu perfume, do teu calor...

Já te anunciaste, consigo sentir que vens a caminho, chegas quase sempre por esta altura.

Mas ainda não te vejo. Onde estás afinal?



Vou ficar enroladinho como um gato à tua espera.
E quando chegares, vou dar-te as boas-vindas com um tratamento especial...


Sempre ouvi dizer que quanto mais PRIMA, mais se lhe arrima! ;-)

sexta-feira, 7 de março de 2008

provocação gratuita 6

"Nunca amamos ninguém. Amamos, tão-somente, a ideia que fazemos de alguém. É a um conceito nosso - em suma, é a nós mesmos - que amamos. Isso é verdade em toda a escala do amor. No amor sexual buscamos um prazer nosso dado por intermédio de um corpo estranho. No amor diferente do sexual, buscamos um prazer nosso dado por intermédio de uma ideia nossa."

Bernardo Soares, Livro do Desassossego

quinta-feira, 6 de março de 2008

ingenuidade infantil

Três crianças com meia dúzia de anos encostadas à parede. Iô-iô do México 86 com a mascote do sombrero. Camisolas de manga curta (porque naquele tempo ainda não se dizia t’shirt). Cochichavam de cócoras entre risadas:
- “Fudar”?! Os meus pais tiveram de fazer isso para eu nascer?!! Não acredito!
- Não é “fudar”, é foder!
- Blherrrrg!


1988. Férias de verão em casa dos meus primos. Jogo das palavras. Escrevi broche em objectos começados por “B”. Toda gente desatou a rir sem eu entender porquê. Eram todos mais velhos que eu, não me quiseram explicar.
Voltei de férias. Fiz a pergunta aos meus informadores habituais (se ao menos houvesse net…).
- Chupar a pila? Ca nojo!



Mal sabia eu…
imagem Mexico 86: panini
foto do broche: corbis