sexta-feira, 20 de julho de 2012

provocação gratuita 89

Valerá a pena o prazer quando provoca a dor?

Haverá prazer sem dor?

14 comentários:

Alien David Sousa disse...

Vou responder assim: quando os momentos de dor, superam os momentos de prazer então não vale a pena.
kisses

Mal Educado disse...

é pá essa coisa da dor aleija e tal

direi que dependerá sempre do ponto de vista do animal

se for o animal que está, por exemplo, a dar umas boas e valentes palmadas no nalguedo, sem sombra de dúvida que poderá e terá muito prazer no arrear a palmadas, sabe-se lá as razões que lhe vão na cabeça que lhe levam a dar a palmadas

por outro lado, há aqueles malucos que gostam de porrada, como tal, e voltando ao exemplo da palmada, poderá a animal que recebe a palmada estar a curtir a tareia que está a levar na nalga, como poderá estar a pensar, ainda estou a levar poucas pela merda que fiz ....

portanto, essa merda da dor e prazer dependerá sempre, no mínimo, do par de malucos que querem provocar a dor.

carpe vitam! disse...

sei que depende muito do equilíbrio, mas e se o prazer for nosso e a dor for de quem gostamos? e se for ao contrário?

Ser. Como. Agua disse...

Estamos a falar em dor física ou psicológica?

Creio que no extremo limite em algumas coisas a linha entre a dor e o prazer possa ser muito fina.

Embora sem experiência na matéria,...consigo entender que possamos tirar prazer de certo tipo de dor.

A dor não é uma ciência exacta,...o que doí a mim pode não doer a outro ou vice versa (dentro certos limites).
A interpretação é diferente para qualquer um.

Alem disso é necessário conhecer muito bem a pessoa com quem estamos para conseguir manobrar no sentido de manter o acto nesse ponto,...sem transgredir essa linha para o lado da dor.

Depois depende do tipo de dor que estamos a falar.

É algo que doí mesmo,...como uma chicotada forte,..que continua a doer...até muito depois do acto?

Ou estamos a falar de uma palmada,...ou uma penetração mais violenta com falta de lubrificação.
Seja uma dor que pode que rápido se converte em prazer?

É estranho,...

Se por um lado ninguém devia fazer,.. ou ser alvo de algo,...de que não gosta ou não quer.

Por outro lado quando nos gostamos da pessoa com quem estamos,...e (a) ou (o),...acabamos muitas vezes por ceder,...no sentido de satisfazer os desejos dessa pessoa,...(e não sou no sexo),...justamente por gostamos dela ou dele (seja uma amizade, namoro etc).

Acabamos por ceder,...como acto de carinho perante essa pessoa,...muitas vezes sem a noção de teremos cedido.

Esperamos que a pessoa que esta connosco perceba e entenda que estamos a fazer uma cedência.

Tentamos inconscientemente transmitir que essa cedência é só para ele ou ela, e que é um acto cometido para provar amizade ou amor.

Esperamos inconscientemente que essa pessoa também nos faça cedências, que também nos prove amizade ou amor.

Ou problema esta quando uma parte não entende que a outra esta a ceder,...e leva as coisas como um dado adquirido,....ou quando a outra parte não cede em nada.

Aí sentimos dor psicológica,...que pode vir de ou estar ligado a dor física.

Tal como o prazer, a dor é pessoal, cada um sabe de si, e gostos não se discutam.

Mal Educado disse...

na dor não há equilíbrio!

carpe vitam! disse...

ser d'água, estou a falar de qualquer tipo de dor ou prazer (físico ou psicológico, até porque tenho alguma dificuldade em conceber um sem o outro). claro que há quem sinta prazer com a dor dos outros. não é disso que se trata. falas em ceder... mas até que ponto é que devemos concordar com uma situação com que não nos sentimos bem para agradar uma pessoa de quem gostamos?

se o prazer é partilhável, não o será também a dor?

carpe vitam! disse...

Mal educado, não poderá a dor ser compensada com prazer?

Mal Educado disse...

não me parece que a dor seja partilhável.

tenho dúvidas, isso a mim parece-me mais ser forma de se desculpar por uma dor anteriormente provocada.

não sei se pode haver compensação, quanto muito uma apaziguação da dor em género de "desculpa lá a dor que te fiz sentir e tal e coisa"

Ser. Como. Agua disse...

Quanto ao;

"ceder, mas até que ponto devemos concordar com uma situação com que não nos sentimos bem..."

Creio que não há resposta para; "Até que ponto".

Podemos ter sido tolerante perante um certo tratamento / comportamento de um antigo parceiro, e o não mais aceitar do nosso actual parceiro.

Ou então fomos sempre tão certinhos e é justamente este presente parceiro(a) que nos tira do serio e nos leva a explorar a relação prazer / dor.

Isso não significa logo que evoluímos ou regredimos,.. na nossa evolução sexual prazer / dor.

Nem significa que temos ou tivemos mais amor,.. pela pessoa que pode explorar mais,..no ir mais longe no prazer /dor.

Creio que com cada parceiro somos diferentes, pois adaptamo-nos a ele ou ela.

Alem disso, passamos por fases diferentes na nossa vida sexual; o que pode ser apelativo hoje, daqui a um ano pode já não ser,.. e vice versa.

Possivelmente,...há momentos na vida em cada um de nos,..somos ou fomos sexualmente mais activos,...em que estávamos com maior disposição a experiência,...tal como a da relação prazer / dor.

Agora até que ponto devemos ir em fazer aquilo que na verdade não queremos?

Respondia,...até que ponto é que doí mesmo?

Até que ponto é que o acto que foi consumido,...ocupa o teu pensamento durante o dia de forma negativa?

Creio que se for algo que doí mesmo no sentido de aleijar a sério,..

Creio que se a pessoa se sentir usada, abusada e humilhada,...muito depois do acto.


Passamos os limites e devemos parar.

Mas esses limites são diferentes para cada um de nós, e diferem consoante a fase em que vivemos e a pessoa com quem estamos.

Felina disse...

Cada um fala por si, há quem sinta prazer na dor, falando por mim a unica dor que eu consinto e aceito é a dor do parto pelo prazer de ter um filho... e parece que agora até já há parto sem dor

BrincarComOFogo disse...

Tudo tem os seus limites, uma arranhadela, uma mordiscadela, um puxão de cabelo no momento certo pode ser muito prazeroso. Sempre atendendo aos limites de cada um!

Beijos e abraço
Eros&Afrodite

Nanny disse...

Não... Sim... Talvez... Não Sei... Sei Lá!

;-))

p.s. - mas depende muito das circunstâncias

carpe vitam! disse...

hum...

Alien David Sousa disse...

carpe, se for ao contrário, somos muito egoístas....sacanas

beijinhos