sexta-feira, 23 de maio de 2008

provocação gratuita 17

Se já tiveste oportunidade de TRAIR sem deixar vestígios e sentiste a insuportável tentação de o fazer e resististe, gostava de te conhecer :)

52 comentários:

Rita Carapau Sardinha Frita disse...

Às vezes a razão suplanta-se ao desejo!

Doce Veneno disse...

Muito Prazer!! :D

Beijos

confidencial disse...

tenho o prazer de informar que aceito a provocação.

MR. HEAVY disse...

eu já resisti........

carpe vitam! disse...

rita, tens razão, mas não é nada fácil, pois não?

doce, igualmente!

confidencial, aceitas? assim, sem mais nem menos?...

Mr. Heavy, tiveste oportunidade? e sentiste-te verdadeiramente tentado? e sabias que nunca irias ser apanhado? e resististe? TANSO! lolololol just kindding... estou a tentar perceber o que leva as pessoas a trair e não o fazer e admiro bastante as que conseguem manter-se leais :)

Helluah disse...

ahahh.. já me aconteceu sim... and guess what....

arrependi-me tanto, mas tanto, mas tanto de não o ter feito... que jurei para mim mesma que nunca mais perderia outra oportunidade!!

carpe vitam! disse...

princesa, então que foi isso, medo?

Helluah disse...

medo não!!

arrependi-me de nao ter traido...

porque deveria ter traido!!

Zek disse...

Muito prazer moça !!!!!!!!!

Cão Sarnento disse...

Trair é uma mentira. Eu nunca minto. Não tem nada a ver com moralismos balofos (nem qualquer outro tipo de moralismo). É uma questão de respeito. Respeito meu para comigo. Como diz um amigo meu:" as que se perdoam neste mundo, levam-se todas no cuzinho no Inferno". Bem, suponho que a solução é equilibrar a balança de safadeza sem ter de trair (diga-se, é tão fácil que não dá para perceber por que razão as pessoas traem), e assim quando chegar lá em baixo talvez não fique com as nádegas a arder. Em todo o caso, quando se trai, há sempre um vestígio que fica: a memória de se ter traído. E como não há crime perfeito, mais tarde ou mais cedo, a língua dá nos dentes. No final de contas, cada um só cede às tentações que quer. Não há cá isso de irresistível tentação. Se é só uma questão de cona (falo por mim), há milhões delas, e portanto mais marés do que marinheiros, se é que me faço entender.

Miriamdomar disse...

Por aquilo que ouvi dizer, uma traição ,ás vezes(mas só ás vezes )é capaz de salvar certos relacionamentos ou até casamentos .
No meu caso ,não consigo, por muito grande que seja a tentação!O arrependimento, deve ser horrivel!
Mas nunca se pode dizer nunca ! Porque muita coisa depende das circunstancias ! Com quem , onde e porquê?

carpe vitam! disse...

helluah, queres então explicar por que devias ter traído? Foste traída a seguir?

Olá Zek, mas eu a ti não te conheço, já estiv a espereitar o teu cantinho e pareceu-me acolhedor, irei lá fazer uma visita mais daqui a pouco, gracias!

carpe vitam! disse...

cão sarnento, compreendo-te perfeitamente, mas nem sempre a oportunidade se alia à vontade. ou então é uma questão de selectividade, quando não é "qualquer cona" que serve, mas sim "aquela cona".
O teu amigo queria dizer "as que NÃO se perdoam...", não seria? é capaz. quem sou eu para julgar alguém, estou só a tentar perceber e a formar a minha opinião. Pelos vistos nem toda a gente consegue "equilibrar a balança", o que não faltam para aí são relatos de traições de gente insuspeita, que parece não sentir remorso nenhum, que acham que valeu a pena e jamais dão com a língua nos dentes. Crime perfeito? talvez, mas é como tu dizes, deve ficar sempre aquela "memória" da traição.
Digo "irresistível tentação" talvez por já a ter sentido, mas não a achar assim tão irresistível. Tenho de te dar razão, cada qual só cede às tentações que quer. Mas é precisamente no querer que a razão se dilui, não é?

carpe vitam! disse...

miriam, podes explicar-me como é que uma traição pode salvar um relacionamento?
Pois, também acho que nunca se deve dizer nunca...

Afrika disse...

Ola, tu a mim já me conheces, ne!
Nunca pensei no que ganhava ou perdia ao trair, simplesmente disse nao na altura e nunca mais pensei no assunto.

Anonimo do Algarve disse...

Eu resisti há bem pouco tempo, apressar da atraçao fisica k há entre os dois, nós tivemos a dormir num hotel sem os nossos parceiros nessa noite podia ter acontecido, mas n resistimos ao pecado.

bjs

Miss disse...

looooooooooooooool..
resistir ao desejo é muito complicado...lol
olhares discretos, sorrisos marotes, toques distraídos, beijos gulosos, maos descaradas...aiiiiiiii como é complicado resistir a isto...

AcidoCloridrix disse...

Apesar de brincar com questões dessas lá no meu Blog,,, a verdade é que sou um inveterado "fiel" e nem preciso resistir a alguma tentação!!! HCL

Anónimo disse...

Oportunidade? Sim
Sem deixar vestígios?Sim
Insopurtável tentação?Não
Se não o fiz foi por dois motivos:
-respeito
-amor

Não seria capaz de o fazer, mesmo que quisesse muito.

Carlos Barbosa disse...

Faço minhas as palavras da rita carapau sardinha frita.

Tinha saudades de passar aqui.

Um beijo.

Carlos Barbosa disse...

cape vitam:
eu concordo, nunca estamos contentes...

Helluah disse...

Exacto... Quando se toma a decisão de não trair, faz-se como que um investimento... pode custar ao principio despendermos tanto, mas o retorno será compensatório...

Quando não traí, investi, quando fui traída, foi como se as minhas acções tivessem desvalorizado e toda a fortuna acumulada tivesse desaparecido... metafóricamente, claro!

Hoje em dia já não invisto em relações... a não ser que os lucros sejam a curto prazo!

carpe vitam! disse...

afrika, o que te levou a dizer não, lembras-te?

anónimo algarvio, desculpa lá mas não percebi: afinal resististe ou não resististe?

ácido e anónimo/a, se calhar a questão é mesmo essa, nunca foram suficientemente tentados ;)

Carlos, o ser humano é mesmo assim, sempre insatisfeito. Parece que às vezes precisa de "provar por fora" para dar o devido valor ao que tem em casa...
as portas deste espaço estão sempre abertas para ti, podes passar sempre que te apetecer :) e vê se dizes alguma coisa lá no teu canto, ok?

Helluah, entendo o que dizes, o investimento só faz sentido se souberes muito bem o que queres e se a outra parte concordar contigo. Caso não exista esse entendimento de ambas as partes, não vale a pena, acho eu. volta sempre!

TheImpossiblePrince disse...

Já resisti!!! ;)

Parabéns pelo blog.

muito querida disse...

bom, eu, para quem ainda não percebeu , não acredito nem na fidelidade nem na infidelidade...ninguém é de ninguém...todos somos livres e só assim é possívela felicidade..para mim.
Nunca fomos monogâmicos, ao contrário de outros animais..até porque em termos de sobrevivência da espécie isso não faria sentido...e nós somos sempre "animais" e a sexualidade encontra-se na base da pirâmide das necessidades..é uma das necessidades básicas.
Agora, eu já resisti e de que maneira, qd podia ter traido e tb já me aconteceu o contrário, não ter a minima dúvida de que não queria resistir..

Enfim...mas, vocês sabem, eu sou um "cadito" complicada...

:)
bjs

quenina_estrela disse...

Eu não resisti.....

Miriamdomar disse...

Carpe , o amor só é amor ,quando há liberdade ,ou seja, não é uma prisão! Num relacionamento ou casamento, tem de haver amor,confiança, cumplicidade e muito diálogo.
Há mtos casais que passam por fases criticas (são capazes de estar sem sexo, um mês ou mais) !Porque se deixaram cair na rotina, ou porque ,não conheceram outras pessoas ,ou porque, existe mta inibição da parte de um deles !Por um testemunho ,de uma mulher que li numa revista, ela contava que tinha tido um caso com uma pessoa mais experiente e que só assim ,conseguiu salvar o casamento dela. Pois confessou ao marido, e ele compreendeu, ela nunca tinha conhecido outro homem além dele.
E assim, tornou-se mais desinibida, vivendo sua sexualidade em pleno.Este foi um caso!Mas também podia ser o caso, do marido estar a trabalhar longe da familia e acontecer algo a que ele não conseguisse resistir:E se houver amor capaz de aguentar uma confissão destas ,então é" á prova de bala " com eu costumo dizer!
Por isso, nunca se pode dizer nunca !

carpe vitam! disse...

muito querida, não é uma questão de acreditar, a fidelidade existe, vem no dicionário e tudo. é uma questão de seguir ou não os seus princípios. é claro que depois depende muito do que entendes por fidelidade. Eu creio que a partir do momento em que tens de mentir, não estás a ser fiel. Isto não tem nada a ver com necessidades básicas, tem que ver com compreensão. e nisso, cada um tem de estabelecer os limites em que se sente confortável e convém que ambos estejam de acordo.

carpe vitam! disse...

quenina estrela, valeu a pena?

carpe vitam! disse...

theimpossibleprince, não te arrependeste?

obrigada, volta sempre :)

carpe vitam! disse...

Miriam, agora entendo o que querias dizer, mas acho que não foi a traição que salvou o casamento nesse caso, mas sim a desinibição da mulher. seria ela capaz de o fazer se não tivesse traído? Não faço ideia. O que eu sei é que existem uma série de formas de fujir à rotina, de espicaçar a relação e não têm de passar pela traição, passam sim, obrigatoriamente pela IMAGINAÇÃO e pela DETERMINAÇÃO.

Miriamdomar disse...

Carpe ,eu sou da mesma opinião!Só queria frisar que existem casos excepcionais! E que o ser humano é muito frágil!
A mentira, transforma-o num ser abominável!
Eu não suporto a mentira!
Mas se amar e for amado ,torna-se muito forte em relação a tudo ! O amor tem um poder enorme!
Resumindo ,eu só queria provocar ehheheehe:))
Beijos provocadores

Anónimo disse...

Querida carpe fui tentado/a mais que o suficente. Senti que estava a restir a algo. Acho que por tanto me fazer confusão trair ou ser traído/a a tentação não foi tanta como a que poderia ter sido.

carpe vitam! disse...

miriam, provocação entendida! ;)

anónimo/a, pormo-nos no lugar da outra parte ajuda muitas vezes a ter algum discernimento, não ajuda?

Anónimo disse...

Traímos das formas mais dissimules

Como ser fiel

A algo mais que aos nossos próprios instintos

Um Abraço
Lena

carpe vitam! disse...

Lena, creio que o mais importante é sermos fiéis a nós próprios. Será que é possível trair a confiança de outra pessoa sem o deixar de ser?

volta sempre que queiras :)

Anónimo disse...

Eu diria que sim, sem dúvida!

carpe vitam! disse...

Talvez tenhas razão, mas não fica qualquer coisa a arranhar na consciência?

OdonoDakelCeu disse...

A oportunidade já tive, a tentação não… acho que é lindo podermos dizer que “só” temos aquela pessoa… até o podemos dizer, mas poder senti-lo não tem valor….

CamaReira disse...

Eu acho que essa tentação, já aconteceu a todos. Mas alguns sabem controlar!

Beijos Ardentes

Anónimo disse...

Fica sempre a pergunta "E se...?" mas a traição iria contra todos os princípios que defendo. Ficar a imaginar como seria passou depressa. O que ficaria a arranhar-me seria mesmo ter ido para a frente.

carpe vitam! disse...

donodakelceu, pois, quando uma pessoa não se sente tentada, podem existir 1001 oportunidades que é fácil resistir. os sentimentos de posse e exclusividade costumam resultar quando ambos têm a mesma perspactiva.

camareira, não posso dizer que já não me tenha passado pela cabeça, mas nunca senti verdadeiramente a tentação insuportável.

anónimo(a) a pergunta é pertinente. Não faço ideia como reagiria, a única coisa que sei é que quando sinto alguma tentação, discuto-a abertamente com o amor da minha vida. e assim, torna-se muito mais fácil lidar com o asunto :)

sunshine disse...

Tive a oportunidade, senti a tentação absolutamente irresistivel e quase insuportavel e resisti.
Uma vez na vida apenas. Duvido que volte a acontecer.

carpe vitam! disse...

Sunshine, o que te fez resistir?

zm disse...

Já. Várias vezes...
Admito que mais tarde me arrependi não o ter feito numa das situações.
Ainda hoje me arrependo... Ou talvez não!

Estamos sempre a aprender. Dizem...

carpe vitam! disse...

zm, gostei do "ou talvez não!" :)
é verdade, estamos sempre a aprender, se quisermos...

Anónimo disse...

As vezes a tentação persegue-nos...

Eu já resisti, aliás vou resistindo...

Mas será que pensar na tentação não é também uma traição?

Mary

carpe vitam! disse...

Mary, tudo depende do tipo de relação que tiveres. Penso que temos de ser livres para pensar o que quisermos, o pensamento é o nosso último reduto de liberdade.

Anónimo disse...

Ainda bem que somos libres de pensar, pensar em como seria a traição! Já pensas-te?
Já trais-te em pensamento?

Mary

carpe vitam! disse...

não, nunca traí em pensamento porque o meu pensamento não tem qualquer compromisso. é claro que já dei umas valentes fodas na minha imaginação, e até já sonhei que estava a trair (no início gostei mas depois senti remorsos), mas eu sei que isso em nada vai contra o compromisso que tenho e sei perfeitamente que o meu par também tem pensamentos desses.

Anónimo disse...

Bom dia!!!
Aqui vai mais uma provocação...
Na sociedade humana ou na animal, fêmeas e machos são biologicamente predispostos a trair os seus parceiros.
A ideia é a seguinte, se os parceiros conseguirem estabelecer um entendimento em relação ás suas liberdades sexuais, não haverá necessidade de enganos, traições, infidelidades...
Um abraço,
Lena

carpe vitam! disse...

Olá Lena, a traição só poderá existir se existir omissão, se existir mentira. Se esse entendimento de que falas existir, não faz sentido falar em traição, por isso concordo contigo. difícil é conseguir esse compromisso, mas não é impossível :)

uma boa semana para ti!