quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

chama a chama!

 

Música: Misty, Ella Fitzgerald
Texto por Toque + carpe vitam!


Dois corpos suados no tapete da sala. Os olhares perdiam-se nas chamas dançantes que a lareira lhes oferecia. A respiração ofegante sobrepunha-se ao tic-tac do relógio de parede.
- Chama a chama! - dizia enquanto passava o dedo indicador pela púbis molhada dela.
- A chama ...chama por mim! - sorriu e pousou a língua húmida na orelha dela, brincando com o seu lóbulo e murmurando pequenas provocações.
Tinham pensado este momento. Saboreado a sensação do salgado dos corpos depois do jogo da sedução e da tentação escrita em forma de prazer.

Lembrava-se de ver o seu corpo pálido, de um branco açucena, a boiar na água cálida da lagoa. Na altura viu, gostou, mas a chama ainda não corria nas veias. Era uma foto que, como o fogo, soltava labaredas e entranhava-se no olhar aprisionando os sentidos.
A imaginação tinha-as transportado para aquele espaço muito antes de lá terem chegado.

Nuas a absorver o calor da lareira... o quente dos corpos.

Sentiu-a indecisa... leu-lhe o pensamento "não me quero queimar"! Diziam as palavras caladas que o calor lhe trazia, calor esse que lhe endurecia os seios ao toque ardente dos dedos dela. Mordiscou-os, chupou-os sofregamente e soube que ela se rendia quando gemeu em surdina:
- Queres arder comigo?
Sim. ela queria arder naquele calor que se soltava do corpo dela, mas também queria senti-la incendiar. Queria acender o fósforo da paixão nos pontos mais sensíveis do seu corpo banhado com o tom alaranjado das chamas.
- Vamos brincar com a chama, sabes que ela não queima se souberes brincar.
Pegou no óleo aromático e esfregou-o nas mãos para as aquecer antes de começar a massajar-lhe os ombros. Sentiu-a relaxar com a pressão dos seus dedos e ouviu-a dizer:
- Arder não é queimar.
Ela sabia e também sabia que a queria ver arder de paixão.
Deixou que as mãos descessem até aos seios. massajou-os sentindo os mamilos endurecerem. as mãos desceram até à sua vagina - abriram os lábios e três dedos entraram no seu buraquinho penetrando-a profundamente.
Deitou o seu corpo sobre o dela inversamente e deixou a língua dançar como se fosse uma chama a entrar nela.
Ela fez-lhe o mesmo. chupavam-se com fome e com prazer.
o calor espalhava-se pelo corpo, as mãos ardiam na pele. lembrava-se dela lhe ter dito "só te queimas se não souberes arder".
Nenhuma das duas se queria queimar, mas queriam arder juntas, sentir aquele calor a subir entre as pernas, humedecê-las e criar bolhas de ar no estômago.
Ela passou a mão pelas chamas, sentiu um arrepio de calor. depois levou-a até à vagina dela, fez uma ligeira pressão e continuou a chupar e a beijá-la até senti-la estremecer, sentiu o orgasmo dela a chegar e depois disso relaxou e deixou que ela a incendiasse.

Se não souberes esperar…a flecha de fogo não te atinge!


 

15 comentários:

masquediabo disse...

HOT!!!

Jaime disse...

sem os efeitos especiais, como seria?

M. disse...

Fosse o texto mais longo e estaria só com os chinelos...

Ulisses disse...

Só para dizer que gostei, verdadeiramente...

:)

carpe vitam! disse...

masquediabo, mesmo muito!

Jaime, os efeitos especiais são essenciais, não só nos filmes, como na realidade!

M. o texto dura o tempo que quiseres, só precisas de te demorar um pouco mais, a saborear as palavras lambidas pela chama...

Ulisses, sabe bem saber disso :)

Aproveito para deixar aqui um convite a quem, como eu, não tem lareira: ponham a Ella a cantar, ponham um vídeo em full screen, aqueçam as mãos na lareira, fechem os olhos e deixem-se levar... esta música soa particularmente bem naquela fase pós-orgásmica...

Nikita disse...

Quente...Quente...
Os efeitos especiais, a musica Perfect...

;)
Hot Kisses

jpv disse...

Crueza traz uma Cor Humano
E o Ciúme Humana Face
Terror, Divina Forma Humana
E o Segredo, Humano Traje

É Humano Traje, forjado Ferro
É Humana Forma, ígnea Forja.
É Humana Face, Forno selado
É Humana Cor, faminta Gorja.

William Blake

carpe vitam! disse...

Nikita, gosto particularmente da voz da Ella misturada com o crepitar da lareira...

Jaime, não sei o que te levou a vir aqui trazer-nos William Blake, mas não me parece mal, apesar de achar que na versão original isso deva soar melhor...

otário disse...

http://www.youtube.com/watch?v=ZJL4UGSbeFg&feature=player_embedded#!

toma lá uns jovens bonitos atão
para arderem contigo ;) saudações
otariamente natalícias para vós do blog!!!

Rafeiro Perfumado disse...

Lamento, mas não tenho feitio para imolações...

O Santo Diabinho disse...

Adorei descobrir este canto.
Deliciosa provocação...

Estarei atento e voltarei...

carpe vitam! disse...

Otário, obrigada pela oferta, mas acredita que há alturas em que não são precisos para nada. Esta é uma delas. ;)

Rafeiro, como está escrito no texto, a ideia é arder sem queimar, muito menos imolar.

Santo Diabinho, volta sempre que te apeteça ;D

ROSINHA disse...

É uma pergunta?

carpe vitam! disse...

sim. é um pouco retórica, mas se quiseres, podes responder ;)

ROSINHA disse...

Só se for no inferno!