segunda-feira, 19 de abril de 2010

Magda VI

imagem de Jan Saudek via Vanderdeken

texto de Bernardo Lupi
continuação daqui
| início

Depois de uma noite de chuva fraca, o dia amanheceu fresco e ensolarado.

Henrique deu a Magda a permissão de tomar um novo banho. Ela estava a aprender, aos poucos, que, basicamente, nada lhe era permitido. Mesmo para executar acções simples e banais, como lavar as mãos ou tomar um copo de água, necessitava pedir, e naturalmente obter, a permissão prévia do seu Senhor, que nem sempre era dada.

Magda experimentava os efeitos psicológicos do cativeiro. Era um processo de reformulação de sua personalidade que a tornava não apenas extremamente dependente - uma mulher-criança -, como também muito subordinada ao arbítrio de seu dono. Acrescentava-se o facto que, em qualquer momento, ela podia receber ordens as quais, aparentemente, não faziam sentido algum, mas que deviam ser obedecidas sem a menor demora e, obviamente, sem nem ousar replicar ou simplesmente perguntar porque uma determinada acção lhe era imposta.

Acontecia, por exemplo, que após ter varrido o piso de um certo ambiente, Magda pedisse a autorização para completar o trabalho passando um pano molhado, como teria sido lógico fazer numa casa de habitação, mas sempre a autorização lhe era negada, de modo que no chão, em aparência limpo, ia-se acumulando uma invisível camada de gordura, misturada com um fino pó escuro oriundo das ancestrais vigas de madeira que sustentavam o casarão.

Ela não entendia a razão dessa estranha proibição…

O motivo, que nunca lhe foi revelado, era que o seu dono a queria, o mais possível, parecida às antigas escravas - aquelas de verdade que eram compradas nos mercados -, as quais, tendo que trabalhar descalças e acorrentadas, tinham as plantas dos pés permanentemente sujas. Assim, quando Henrique mandava que ela se ajoelhasse ou se deitasse na cama, contemplava a superfície escura das solas, contrastando com a brancura do dorso, e essa visão deixava-o ainda mais excitado, consciente de possuir uma escrava real e não apenas uma mulher que gostasse de brincar de ser escrava.

Outro aspecto da personalidade do seu parceiro era de fazer com que a sua submissa tivesse, quando observada de longe ou sob um certo ângulo, a aparência de uma livre e graciosa empregada doméstica. Por isso determinou que ela vestisse um belo avental de linho branco, imaculado e perfeitamente engomado; essa peça cobria o corpo de Magda do pescoço até às coxas, escondendo boa parte dos seios, mas deixando completamente nuas as costas e as nádegas. Mandou também que ela usasse uma fita do mesmo tecido, que escondesse a coleira, e pulseiras de linho para disfarçar os braceletes de aço.

Henrique não conseguiu, e nem quis, esconder tudo, como por exemplo a corrente das algemas e a outra que a unia à argola da coleira. Muito menos os grilhões nos tornozelos.

Contudo, de uma certa forma o disfarce funcionava e, várias vezes, ele teve a oportunidade de zombar subtilmente com os seus convidados. Enquanto eles tomavam um chá sentados no varandim do jardim, Magda ficava durante bastante tempo, dentro de casa, fingindo espanar, vagarosamente, bibelots e molduras alinhadas sobre os móveis.

Em virtude da distância e da meia-luz dos aposentos, os visitantes não conseguiam observá-la nos detalhes, apenas percebiam, pela silhueta do corpo, que ela era jovem e bonita. Ela nunca se virava de costas para eles e sempre permanecia atrás da mesa que escondia totalmente a parte mais baixa das pernas. Os convidados imaginavam que ela completasse a sua farda com sapatilhas brancas ou algo similar. Não sonhavam que estivesse descalça e com os pés acorrentados. Muito menos podiam adivinhar que, debaixo do avental, dois prendedores de metal apertassem os seus mamilos.

Também, para impedir que alguém descobrisse as reais perversões de Henrique, naquelas ocasiões o mestre tirava a pequena corrente que ia da coleira até às algemas. Magda, com a intenção de facilitar a brincadeira dele, aprendeu a trabalhar com as mãos quase juntas, escondendo, dessa forma, a corrente das pulseiras.

Henrique, como forma de recompensar essa cooperação, atava as coxas da escrava com dois cintos de couro, ambos providos de argolas, bem à altura das virilhas. Um cordão de seda de quase um centímetro de diâmetro unia essas argolas com a argola dianteira do cinturão, obviamente passando no meio dos lábios vaginais onde apertava e esfregava delicadamente o clitóris. Assim, enquanto os convidados falavam animadamente de negócios ou de política, Magda, mergulhada num mundo paralelo, deliciava-se com um prazer infinitamente superior aquele que podia vir de conversas que, para ela, eram um pouco enfadonhas.

Para encerrar a encenação, Magda foi instruída a aproximar-se furtivamente das janelas e puxar rapidamente os pesados cortinados de veludo, antes que os amigos conseguissem vislumbrar algum detalhe suspeito. Ela aprendeu a agir como uma gata que caça um passarinho e por isso recebia os mais rasgados elogios por parte de Henrique.

Todavia, apesar dos movimentos dissimulados de Magda, ocasionalmente acontecia que alguma mulher curiosa do grupo conseguisse notar, mesmo na penumbra e por uma fracção de segundo, as correntes nos tornozelos. Nestes casos, pasmadas, procuravam imediatamente os olhos do anfitrião, como que para fazer uma pergunta mas, o olhar calmo e ligeiramente irónico de Henrique as induzia a pensar que devia ter-se tratado ou de uma alucinação ou uma ilusão óptica e que os grilhões fossem, eventualmente, algum tipo extravagante de enfeite.

Depois, quando finalmente sozinhos, Henrique e Magda comentavam as situações e davam boas gargalhadas, a gozar com a ingenuidade dos visitantes. O Senhor gratificava imediatamente a sua escrava, ordenando que ela, em pé, apoiasse o busto e a cabeça em cima da mesa e penetrava-a analmente com tanto vigor que vários bibelots acabavam por cair no chão. Ela limitava-se a berrar de prazer enquanto o pénis mergulhava incessantemente no seu traseiro.

continua aqui



10 comentários:

Patife disse...

O Patife gosta disto.

carpe vitam! disse...

O que eu gostava que o feitiço se virasse contra o feiticeiro...

Coisas Nú Feminino disse...

Isto só mesmo em literatura...mas não duvido q seja o sonho de qq homem.

Eroticidades disse...

que imagem linda.

carpe vitam! disse...

Nu Feminino, não creio que seja o sonho de todos os homens nem que aconteça só em literatura, também creio que pode muito bem ser uma fantasia de muitas mulheres.

Eroticidades, este fotógrafo é muito bom. Espreitaste a galeria? Creio que ainda lhe vamos pedir mais umas imagens emprestadas.

Helel Ben Shahar disse...

É admirável a subtileza com que este breve conto repleto de pequenas perversidades é desfolhado, com calma e precisão, reflectindo a personalidade de Henrique.

Talvez, em breve, o autor nos presenteie com a situação oposta...?

carpe vitam! disse...

Já somos dois a querê-lo! A VII parte já está escrita e será brevemente publicada, vai passando!

Helel Ben Shahar disse...

Com certeza que passarei! ;)

Felina disse...

Respeito quem só sinta prazer com a dor e humilhação, mas a submissão não me excita minimamente prefiro a luta corpo corpo, mas estou acompanhar a historia embora tenha achado dois relatos não muito próprios do bdsm, como o beijo apaixonado e o facto de terem feito amor em posts anterior mas quem sou eu que não percebo nada disto

carpe vitam! disse...

Sim, eu tenho imensa curiosidade para saber o que vai sair daqui!
Eu também não entendo muito da matéria, mas já tenho lido algumas coisas. Pelo que me apercebi, a relação dominadora/servo é muito mais desprovida de afectos da parte dela do que a relação senhor/escrava.
Assim, já vi vários relatos de manifestações de afecto masculino, mas em relação às dominadoras, não costumam ser nada meigas.
Mas eu sempre gostei de subverter as coisas, por isso, até ao final, tenho esperança que tudo mude!