sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Tortura de Prazer - final

início | continuação daqui

          Ele ignora a arma, pega nela ao colo e beija-a no pescoço, aperta-a com força a sorver-lhe o cheiro frutado e o calor que o deixa doido, desvia alguns objetos em cima da secretária e senta-a. O frio da superfície metálica sabe-lhe bem no rabo a ferver mas rapidamente fica quente. Ele continua a beijá-la e acaricia-lhe o corpo, detendo-se nos seios e no rabo, fazendo o caminho mais longo até chegar ao sexo. Deita-a e estimula-a, empenhando-se em cumprir a promessa que lhe fizera há pouco: pressiona-lhe o clitóris devagar, penetra-a com dois dedos, entrando e saindo a sentir-lhe a humidade quente, a pele suave a intumescer, a contrair-se e a expandir-se. Usa essa humidade para lubrificar-lhe o ânus e vai testando a resistência à sua entrada lentamente, até não sentir nenhuma. Continua a trabalhar com os outros dois dedos no interior dela, a chamá-la, a tocar-lhe naquele ponto que a leva a entrar em erupção até a lava escaldar a pele. Desta vez é ela que pede:
          - Fode-me! - ele não se faz rogado, pega noutro preservativo e penetra-a suavemente, até ela pedir com mais força. Ele acede ao pedido até ela se vir com estrondo e depois abranda um pouco, não quer vir-se já, sai de dentro dela e pede-lhe para se virar. Ela cede e ele volta a entrar por trás, a sentir o rabo bem torneado dela contra a sua pélvis, novamente até à vertigem.
          Depois de saciados os apetites de ambos, começam a pensar em conjunto como sair daquela situação absurda. Nenhum dos dois consegue racionalizar o que se está a passar, até porque a situação é completamente irracional, mas precisam urgentemente de encontrar uma solução.
          Ela quer usá-lo como escudo para sair dali. Ele sabe que vai ser arriscado, que vai ter problemas, mas decide ajudá-la. Precisa que ela o ajude também, precisa que ela partilhe informação. Depois da experiência que viveram e da cumplicidade gerada, conseguem chegar a acordo. O conflito que os separa foi também o que os uniu e isso dá-lhes outra perspetiva sobre o ridículo da situação. “Make love, not war”, a foder é que nos entendemos, eles compreendiam agora. Mas o mundo à volta quer lá saber da compreensão deles... E é essa compreensão que os faz sair daquela sala, com a perfeita consciência de que podem muito bem não voltar a ver a luz do dia. Mesmo assim, será um dia memorável.


Agradecimentos especiais a Pole Man e Girassol pela consultoria técnica ;)


Madonna, Die Another Day

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

swingin' (in the rain): os curiosos revisitados #2

continuação daqui início

Sem aviso, eles começaram a despir-se e a abocanharem-se um ao outro. Foi algo surpreendente, da outra vez que estivémos juntos, foram elas que começaram a despir-se enquanto eles estavam sentados no sofá, desta vez aconteceu precisamente o inverso. Estiveram assim um bom bocado, com elas a observar sem intervir, até que eles as chamaram.

A Yin manipulava o sexo do M., com as mãos e com a boca e fê-lo até ele se vir, na esperança que depois ele ficasse quietinho, mas não ficou. Decidiu retribuir-lhe. Primeiro enfiou-lhe os dedos nos dois buraquinhos da zona genital. Ela não achou muita piada à forma bruta como o fez, mas não estava fácil de ele entender. Depois decidiu abocanhá-la enquanto a penetrava com os dedos. E insistiu bastante tempo, com convicção. Ela continuou a não achar muita piada. É fodida, esta Yin. Ou melhor, ela até tinha alguma curiosidade em experimentar o que seria ser fodida pela pilinha que andou a segurar, mas pelos vistos eles continuavam numa onda soft, nada de penetrações com pilinha em mulher alheia.

Algum tempo depois, o M. adormeceu nu no cadeirão e nós tapámo-lo para não arrefecer. Ao contrário da primeira vez que nos encontrámos, apesar de ser a mesma época do ano, estava bastante mais frio. Ficámos até quase manhã a conversar, a Yin foi a primeira a ceder ao sono, o Yang e a F. continuaram com conversa da treta.

Da primeira vez que nos encontrámos, tínhamos uma caminhada de manhã cedo, dormimos pouquíssimas horas e fomos. Desta vez a Yin tinha uma ação de voluntariado para fazer, mas programou uma sms para a manhã seguinte a dizer que a noite tinha sido complicada e não iria. Não era mentira, não estava mesmo em condições, mas sentiu-se um bocado culpada.


Passado algum tempo, convidaram-nos para ir a um bar swinger na terra deles que tinha aberto há pouco tempo. Era um conceito diferente do que temos frequentado, propunha-se a estar aberto todos os dias. Isto fez-nos pensar que seria um sítio porreiro para os nossos amigos que trabalhavam ao fim-de-semana. Fazia parte da casa dos donos, um casal diferente do habitual. Ele um nortenho enorme, tatuador; ela pequena mas lutadora feroz contra um cancro. Mostraram-nos o espaço, que não era muito grande, uma zona inferior, tipo lounge, com mesas e puffs e almofadas e bar. No vão da escada, fizeram um pequeno quarto privado sem janelas, que só tinha espaço para uma maca. Tentámos imaginar como seria estarem ali quatro pessoas a transpirar, o Yang disse que teriam de ser etíopes muito elegantes, para não dizer esfomeados. A parte superior era um espaço amplo, com um pequeno estúdio de tatuagens. Provavelmente o único estúdio swinger, uma vez que ali só entravam pessoas do meio. Outro tipo de clientela, segundo o dono, era atendido ao domicílio. Ela explicou que tinham ideias de fazer ali mais alguns espaços privados.

Ficámos no rés-do-chão, só estava lá mais outro casal que nos foi apresentado, mas com quem não falámos muito. Mantivémo-nos os quatro à volta de uma mesa, a conversar a noite toda sobre leituras e experiências, o percurso deles no swing, o nosso. Falaram-nos de um motel onde tinham ido que nos pareceu paradisíaco: o quarto tinha baloiço, jacuzzi, champanhe… falaram-nos do que fizeram por lá e que era um sítio interessante para irmos os quatro. Ficámos a pensar nisso enquanto rumámos a casa.


~ FIM DO SEGUNDO VOLUME ~

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Tortura de Prazer - parte 4

início | continuação daqui

Ela resolve guardar a faca no bolso do casaco e volta a sentar-se ao colo dele, desta vez pele com pele. Ela está seca e quente, ele frio e molhado. Mas aquele contacto produz inesperadamente um efeito intumescente no sexo dele e um calor abrasador no dela. Chega-se um pouco mais perto, passa-lhe as mãos algemadas para trás do pescoço até o rosto dele ficar entre as suas mamas. Ele fica a respirar aceleradamente o calor da pele dela e deseja ardentemente não ter a boca tapada para poder morder-lhe os seios. Esse pensamento, juntamente com a incandescência do sexo dela, provocam-lhe uma forte erecção, que lhe intensifica a dor nos testículos e o faz gemer. Ela olha para o sexo dele junto do seu. Respira fundo. Pensam ambos em uníssono: "o que é que me está a acontecer?!"

Claramente, aquilo tinha ido longe demais. Ambos sabiam que não era boa ideia misturar aquele tipo de trabalho com prazer. Mas se tinham chegado até ali, também não seria agora que iria parar. Ela olha fundo nos olhos dele, de dedo na boca, pensativa:

- Se eu te tirar a fita, portas-te bem? - ele acena positivamente. Ela arranca suavemente a fita da boca dele. Ele tosse e recompõe a respiração. Ela passa-lhe o polegar pelos lábios, mantendo-lhe a faca junto ao rosto, mas ele apenas lhe roça ao de leve os seios com os lábios. Ela sente um arrepio, e desta vez é dos bons. Chega-se mais perto, sente o sexo dele duro contra o seu, doido para entrar nela, enquanto ele lhe mordisca os seios. Como é que alguém capaz de tanto terror consegue provocar tanto tesão? É inexplicável, incompreensível, uma questão de pele, talvez. Química aplicada.

- Fazes-me isso aqui em baixo? - pergunta-lhe ela, apontando para o sexo.

- Libertas-me? - tenta ele. Ela ri-se. Pega numa toalha e estende-a no chão húmido. Segura nas costas da cadeira e inclina-a devagar até chegar ao chão. Ajoelha-se e senta-se em cima da boca dele. Ele trabalha com afinco, apesar do desconforto da posição, primeiro nas virilhas e nos lábios, depois no clítoris, a seguir morde-a devagar e penetra-a ritmadamente, enquanto ela se mexe e contorce e dedilha de cócoras, até se vir uma e outra vez. Depois vira-se e retribui-lhe o gesto sem pressas, enquanto ele continua a lambê-la. Beija-lhe os testículos avermelhados e alivia-lhe a dor que provocou há pouco. Abocanha-o e engole-o até à base, sente-o estremecer todo até ele lhe suplicar:

- Fode-me. - Ela demora-se um pouco mais, provocando-lhe uma doce mistura de dor e prazer. Tenta voltar a subir a cadeira, mas é demasiado pesada. Pega numa corda, amarra-a às costas da cadeira, fá-la passar pelo gancho pendurado e usa todo o seu peso para a erguer. Vai buscar o preservativo caído no chão, colocando-o no devido sítio e enterrando o membro duro dentro de si, numa lentidão torturante, enquanto ele continua a mordiscar-lhe os seios. O encaixe é perfeito, têm ambos a noção de que aquilo não é normal, é bom demais, o clichê absoluto, parece que foram feitos um para o outro. “Que loucura…”, pensam, enquanto gemem extasiados até ele se vir.

Torturar com prazer... aquilo só podia ser de génio, ou então o maior erro de sempre. A segunda hipótese parecia mais plausível.

- Se me libertares, vou fazer-te escorrer de uma maneira que nunca mais te vais esquecer. - Tenta ele novamente. Muito tentador, mas ela não cede. Sorri e beija-o levemente na boca.

- Ajuda-me a sair daqui viva e eu retribuo-te o prazer… Onde estão as chaves destas algemas?

- As chaves destas abrem essas.

Ela abre as suas algemas e atira-lhe a chave para abrir as dele, que aproveita para vestir as calças molhadas e desamarrar as pernas, sob o olhar atento dela e da arma que continua a empunhar. Ela veste finalmente o casaco e arregaça as mangas enormes, o casaco dá-lhe pelo meio das coxas, fica cómico, mas ela deixa-o provocadoramente aberto. Ele levanta-se e detém-se uns segundos a olhá-la. Depois dirige-se para ela com uma urgência que a assusta. Será que acabou de cometer um erro fatal?


continua aqui

terça-feira, 3 de julho de 2018

Trocas e Baldrocas...



"Ninguém pode se intrometer na intimidade de um casal. Entre quatro paredes vale tudo, se houver consentimento das quatro pessoas." Haja entendimento!

sexta-feira, 15 de junho de 2018

swingin' (in the rain): os curiosos revisitados #1

continuação daqui início

Estávamos no final do verão quando o M. dos Curiosos abordou o Yang perguntando se nos poderíamos encontrar, pois tinha novidades. Desde o casamento deles há uns anos que não os víamos pessoalmente, mas fomos mantendo o contato à distância.

Convidámo-los para jantar cá em casa. Gostámos de os rever, pareceram-nos mais seguros e tranquilos. Já tinham passado cinco anos desde que nos encontrámos sexualmente pela primeira vez, e eles continuavam muito bem, mesmo apetecíveis. Depois de a F. ter tido a segunda criança, continua em boa forma.

Estávamos curiosos para saber qual seria a novidade. Falaram de um novo projeto profissional que sabíamos ser a paixão dele e ela também estava farta da sua carreira e queriam apostar tudo nesta ideia. Por alguns momentos a Yin pensou que nos iriam pedir dinheiro emprestado, mas estava enganada. Eles estavam genuinamente felizes com esta ideia e queriam simplesmente partilhá-la connosco. Sabíamos que era um projeto arriscado, mas felicitámo-los e demos os parabéns pela coragem. Afinal de contas, são os sonhadores que movem o mundo, e nós só poderíamos desejar-lhes toda a sorte e perseverança do mundo para que tudo desse certo.

Enquanto o jantar grelhava, fomos falando disto e depois do jantar bem regado, o Yang e os curiosos continuaram no vinho tinto. A Yin ficou-se por uma sidra, nada que lhe subisse à cabeça. Mas os outros três estavam claramente noutro comprimento de onda. Ela observava onde aquilo os iria levar, havia uma espécie de vontade envergonhada de voltar a reviver momentos passados, de saber como teria sido a evolução destes cinco anos. Conversámos bastante sobre isso, sobre os desentendimentos deles em relação ao swing. Agora pareciam estar mais resolvidos.

A M. fica muito engraçada quando bebe uns copos, começa a falar com um sotaque africano que deve ter sido herdado das irmãs. É muito cómico ouvir uma branquela falar assim. A Yin ficou deliciada a ouvi-la, ela contou a sua história de vida, abriu-se completamente, enquanto os homens cirandava à volta delas. A Yin desejou várias vezes que estivessem apenas elas, para poder ficar só a ouvi-la e falar também, mas não teve essa oportunidade. O Yang estava chato, a pedir para a M. se despir. Ela teve imensa paciência para o aturar, e lá lhe mostrou as mamas. Continuam bonitas. Ela também queria despir a Yin, que tinha múltiplas camadas de roupa, e despiu-lhe as leggings. Comentou que o exercício físico lhe deixava os músculos delineados. Falou-lhe sobre a kundalini e mostrou-lhe onde estava, essa energia adormecida na base da coluna, à espera de despertar. A Yin ficou intrigada com aquilo e havia de pesquisar sobre o assunto mais tarde.

Entretanto, o M. foi à casa de banho e a F. foi atrás. A Yin comentou que o Yang nunca a tinha deixado vê-lo a fazer chichi e pegar na mangueirinha dele. A F. propôs que o M. a deixasse fazer isso e ele aceitou! Ela ficou bastante contente e lá foi para a casa de banho com ele, segurar-lhe na mangueira a dirigir o jacto para a sanita. “Não apertes!”, dizia ele, enquanto ela o segurava, histericamente. Aquilo foi uma fantasia realizada, e com isso percebeu que se trata realmente de material delicado e que é difícil não salpicar a sanita toda a mijar em pé, principalmente quando se é alto.

Pouco depois o M. despiu-se e apareceu apenas com uma boa de penas pretas à cintura, que estava na nossa gaveta de brinquedos. A F. ainda se lembrava da Gigi, da apresentação e introdução que a Yin lhe havia feito. No entanto, ela não a quis, ela queria conversar e fazer cenas criativas. Disse que a Yin estava triste ainda antes de ela se aperceber. A F. tem uma espécie de sexto sentido, alguma mediunidade. Na verdade, a Yin estava com uma enorme dor de cabeça e a F. massajou-lhe as têmporas, a junção dos maxilares, as órbitas, as sobrancelhas, a cana do nariz… fez pressão numa série de pontos com carinho, delicadeza e precisão. A Yin sentiu um alívio imediato e duradouro. Depois passou para os pés. Observou e massajou. Ela entende de reflexologia e confirmou o diagnóstico que outra pessoa já tinha feito à Yin e acrescentou alguns pormenores. A Yin ficou impressionada com a precisão dela. Também apreciou os seus graciosos pés de bailarina, a flexão plantar generosa e elegante, que não se comparava com a dela, quase inexistente. Isto tudo enquanto os outros dois cirandavam à volta delas.


continua aqui

quarta-feira, 6 de junho de 2018

pontaria humorística





" Se eu vou escarrar para aquilo, nem amanhã de manhã eu posso acertar! "
Épica.
Beatriz Gosta de arrasar!
"Loukitcha"...


terça-feira, 15 de maio de 2018

Tortura de Prazer parte 3

início | continuação daqui




- Ahahaha! Boa tentativa. - Afasta-se, pousa a faca na secretária e traz um preservativo. É a oportunidade que ela estava à espera. Quando ele avança distraído a abrir o invólucro, ela usa o impulso do ponto fixo entre as mãos, salta e pontapeia-o com toda a força, acertando-lhe no peito, o que o faz cair para trás. Solta o mosquetão que lhe prende as algemas em cima e solta a venda. Ambos voam para a arma em cima da mesa, mas ela ganha a corrida e aponta-a na direção dele, que é bem maior do que ela supunha:
- Não tentes fazer nenhuma parvoíce, se fizeres um gesto que eu não ordene, levas um tiro no pé e por cada disparate, vou subindo. - Ela vira o bico ao prego e devolve-lhe exatamente o mesmo discurso que ouviu. Vai usá-lo para sair dali, mas antes, quer pagar-lhe da mesma moeda.
- És uma mulher morta. - diz ele calmamente, obedecendo-lhe.
- Não me subestimes. - Ela procura um par de algemas e encontra-o numa gaveta, bem como um rolo de fita cola. 
- Vais amarrar - diz ela num tom de voz firme que ele ainda não conhecia, a apontar-lhe a arma: - os pés a esta cadeira!
- Vais arrepender-te, puta - ela arremessa o rolo de fita-cola que lhe acerta nos testículos, fazendo-o encolher-se de dor. 
- Para a próxima é um tiro. Tira as meias e manda-as para aqui! - Ele não está a gostar nada do rumo daquilo, mas decide obedecer antes que ela se lembre de atirar alguma coisa mais destrutiva. Ela descalça as botas, tira as meias húmidas, revelando as unhas pintadas de vermelho. Cheira-as e faz uma careta com a língua de fora. Cheira as dele, faz uma careta sem língua de fora e calça as dele, quentes e secas.
- Usa a fita para amarrar os pés à cadeira e é bom que o faças bem feito. Ele tenta não dar muitas voltas, mas ela está a inspecionar o trabalho dele:
- Mais uma volta, e outra, mais outra… - até dar o trabalho por bem concluído. A seguir, atira-lhe as algemas: 
- Algema-te! Prende os braços atrás das costas da cadeira! - ele segue as instruções sem piar. Ela aproxima-se de arma em riste para inspecionar o trabalho de perto. Parece estar tudo bem. Agarra na fita-cola e tapa a boca dele. Cobre-se com o casaco dele que estava nas costas da cadeira, mas curiosamente, já não tem frio. 
Guarda a arma no bolso do casaco e vai buscar a faca. - Agora é a minha vez. - Ela sorri pela primeira vez desde que ali está. É um sorriso desafiante, extremamente sedutor e maquiavélico. Passa-lhe a faca por cima da fita cola e desce pelo queixo até ao pescoço, fazendo pressão na jugular, deixando um pequeno corte superficial. Facas não são o seu forte, e com as mãos algemadas, ainda menos.
- Ups. Desconfortável, não é? - Dirige a faca para o peito e começa a cortar-lhe a camisola. Não é tão fácil como parecia, ainda mais com as mãos presas, mas ela lá consegue desvendar-lhe o torso e os ombros. Na verdade o Major não é jovem, mas também não é velho. Está em forma, os músculos têm alguma firmeza e definição. Ela diverte-se a deslizar a lâmina entre os pêlos do peito dele e observa atentamente a marca vermelha que as suas botas ali deixaram. Sorri e olha-o nos olhos, a curtíssima distância. Ele tem olhos claros e cativantes, quem diria que eram olhos de um torturador? Mas os dela também não parecem olhos de má pessoa, são muito vivos e expressivos, e no entanto ali está, completamente extasiada com aquele poder. 
Dirige-se com a faca para a braguilha. Ele ainda a tem aberta e o cinto está desapertado, mas o sexo já não está duro. Continua dorido do rolo da fita. Um objeto insignificante, mas levar com aquilo nos testículos quando se está intumescido, dói que se farta. Ela sai de cima dele, desaperta-lhe o botão das calças e ordena-lhe:
- Levanta o cu! - enquanto ele o faz, ela puxa-lhe as calças e os boxers para baixo. Pega na mangueira e dá-lhe um banho com a pressão no máximo, insistindo no sexo. Entra-lhe água pelo nariz, engasga-se e tosse. Ela pega novamente na faca e dirige-se para ele. Para o sexo dele. Começa a passar ao de leve, como ele lhe fez e sente-o encolher-se. Sorri, ao sentir a respiração dele acelerar. Continua mole. 
- Não é nada entesoante estar desse lado, pois não, meu cabrão?


continua aqui

domingo, 29 de abril de 2018

Swingin'(in the rain): os Músicos #6

continuação daqui início

Fomos para casa e no dia seguinte eles convidaram-nos para irmos ter com eles
a uma quintinha da família do Músico, convite que nós aceitámos, apesar de ser
um pouco longe.
Mas não nos arrependemos, foi muito bom voltar a estar com eles, num contexto
completamente diferente. Sabíamos que não éramos os únicos na quinta, por isso
estava fora de questão uma abordagem sexual. Quando chegámos a tarde já ia a
meio, mas ainda fomos a tempo de conhecer um pequeno paraíso: uma represa
usada para rega e também para banhos. Levámos a prancha da Yin e o kayak do
Yang, estivemos os quatro a tomar banho e a remar na água, rodeados de beleza
tranquila e silêncio, apenas quebrado pelos nossos risos. O cão ainda foi convidado
para cima da prancha, mas não foi na conversa. A Yin arriscou tirar a parte de
cima do bikini, quando a vontade dela era despir-se toda, mas fomos alertados
para que poderia vir alguém e não queríamos que eles ficassem mal vistos
com amigos tão… despudorados.
Ficámos por lá até o sol descer e a sombra se apoderar das margens. A Yin e a
Música foram a pé até à casa com o cão, ele gostava bastante de passear no
campo, na cidade não tem tantas oportunidades de molhar as patitas na água
enlameada das rigueiras. Aproveitaram para conversar um pouco ao pôr-do-sol
entre plátanos e choupos. Sentia-se aquela nostalgia de fim de verão, quando os
dias começam a ficar mais curtos e só apetece aproveitar ao máximo.


Tomámos banho e jantámos um delicioso peixe que a Música cozinhou no forno
e foi com muita pena que tivémos de ir embora, pois no dia seguinte o trabalho
esperava-nos. Ficámos com imensa vontade de lá voltar.

continua aqui