quinta-feira, 22 de agosto de 2013

swingin' (in the rain) parte 33

continuação daqui | início

Fomos convidados para outro aniversário, desta vez do Guardião. As expetativas estavam altas, uma vez que iria haver um churrasco na piscina. Finalmente o tempo estava a ficar primaveril, já a lembrar o Verão, pelo que a Yin escolheu um vestido curto de algodão e apenas isso. A vontade de experimentar a piscina era muita, mas quando lá chegámos verificámos que o vento era maior e muito pouco convidativo. Pouca gente e todos vestidos, ninguém conhecido. Ficámos a conhecer os outros Donos do Pedaço, um casal motard bastante peculiar e simpático da mesma zona que nós e um outro casal mais novinho também simpático.

A vista do alto da colina é deslumbrante, bucólica e primaveril, com um vislumbre de rio ao fundo. Já lá tínhamos estado ao nascer do dia, mas a neblina não nos tinha permitido ver tão longe quanto esta tarde ventosa.

A Yin tinha comprado um conjunto de plugs de vários tamanhos e decidiu oferecer o mais pequeno ao Guardião. Ele está sempre a dizer que não gosta de brincadeiras anais (em que seja a ele a dar o cu), que é muito macho, por isso pareceu-lhe o presente ideal. Com a azáfama do fim-de-semana, ainda não tínhamos tido oportunidade de experimentar os outros com que ficámos, pelo que ela os levou e antes que se fizesse tarde, arrastou o Yang para um quarto. O Yang não quis experimentar, mas a Yin não se fez rogada. Não se esqueceu de levar o lubrificante e tentando esquecer toda a gente lá fora, voltámos ao tapete que já conhecíamos para dar largas ao desejo. Soube bem fazê-lo, sabendo que toda a gente estava lá fora sem suspeitar do que se estava a passar ali. E voltar de sorriso nos lábios, aquele sorriso cúmplice que sabe mesmo bem...


post relacionado: teaser #1

continua aqui

terça-feira, 13 de agosto de 2013

swingin' (in the rain) parte 32

continuação daqui | início

Já há mais de um mês que não encontrávamos o casalinho eclesiástico, pelo que decidimos ir passear até à terra deles. Uma falha de comunicação fez com que não nos encontrássemos. Umas semanas mais tarde, fomos convidados para o aniversário da O num clube que não conhecíamos. O Yang tinha alguma vontade de ir, a Yin nem por isso, era um dia de semana, o convite foi feito em cima da hora, estava cansada e ainda a remoer o fato de não se terem encontrado. Mas tentou esquecer isso, também tinha alguma curiosidade em conhecer o espaço e vontade de estar com eles.

Lá fomos. O dress code falava em lingerie sexy, mas a Yin resolveu ir de calças de cetim preto e boa de penas a condizer que iam ficando pelo caminho, sendo que a lingerie sexy estava lá, apenas não era visível. O sítio não é nada de especial, zona residencial, parte de uma vivenda, mais pequeno que o que costumamos frequentar. Estava apinhado de gente, de todas as espécies e idades, alguns singles. O ambiente não era mau, apesar do muito fumo, e soube muito bem revê-los, trocar uns beijos. A Yin até se sentiu um bocado mal por dizer que estava cansada depois de ouvir o relato do dia da O. Mas simultaneamente, parece que o tempo criou uma distância que não sabemos se será transponível. Claro que não é o tempo que faz isso, somos nós. Mas quando as circunstâncias e as vontades não se alinham, que fazer? Esperar que o tempo resolva? Que a tal disponibilidade apareça, como que por magia? Umas vezes o universo conspira e as coisas acontecem, outras não. Há que saber lidar com isso.

O Dono da casa também fazia anos e ainda havia uma outra aniversariante. Encontrámos algumas pessoas simpáticas com quem conversámos mas das quais não seguimos rasto. Os Embaixadores também apareceram, vindos da sua Embaixada, e ao que parece, as coisas estavam muito melhores por lá, se bem que eles não são propriamente as pessoas mais isentas para o dizer.

Assistimos a um belo strip no varão, oferecido pela Dona, que apesar de aparentar já não ser muito nova, tem tudo no sítio. Mais algumas raparigas decidiram agarrar-se ao varão ao longo da noite, muito amadoras, apenas deram vontade à Yin de experimentar, mas ela nunca se atreveria à frente de tanta gente.

Comemos o bolo, trocámos uns ligeiros amassos, dissemos-lhe que a prenda estava em casa, que teria de lá ir para a receber. Mas o que é certo é que está cá, ainda à espera...


continua aqui

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Dá-las: a micronovela marota do canal Q



Dá-las, episódio1
"Enquanto a personal trainer Francisca vai procurando o amor em tudo quanto é homem, António sai da clínica de reabilitação sem acreditar que está curado do vício do sexo e dirige-se ao ginásio para queimar energias mal canalizadas."

Hoje às 23:00, nA Costeleta de Adão, não percam o episódio duplo final desta refrescante saga que me tem divertido um bocadinho. Todos os episódios aqui.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

swingin' (in the rain) parte 31

continuação daqui | início

Quando saímos do quarto, procurámos os outros dois. Passámos por um quarto com a porta aberta, em que se vislumbrava um corpo masculino bem feito e tatuado. Ouvimos gemidos de outro quarto. O Yang julgou que seria a Utopia e o seu Camaleão, que não estavam em mais lado nenhum. Se a casa estivesse cheia, seria impossível de saber, mas assim vazia, era quase uma certeza. Espreitámos. A ação estava a decorrer na casa de banho. A Yin tirou os sapatos para não fazer barulho e espreitou pelo buraco da fechadura, ainda não convencida de que seriam eles. Não viu grande coisa. Voltámos para baixo, para junto dos outros. O Duque andava já em pelota, etilicamente muito bem disposto. Passado algum tempo, voltámos para cima e apareceram os outros dois. Ficámos ainda um pouco à conversa com o staff, enquanto satisfazíamos os estômagos com umas tostas que são sempre deliciosas àquela hora, antes de irmos embora.

Foi inesperado e totalmente estranho o que se passou. Nunca tínhamos visto aquele espaço assim, estávamos a contar que houvesse mais fauna, mas apesar disso, todos achámos interessante. O tesão pode ser bastante contagiante.

No dia seguinte o tempo estava péssimo, por isso ficámos em casa a recuperar da noite, e nada melhor que ficar no sofá-cama, debaixo de uma manta, a ver um filme. Ficámos assim os quatro, até que os meninos decidiram ir às compras para o jantar. A Yin e a Utopia estavam a dormitar quando eles chegaram, como se nada tivesse acontecido na noite anterior.

continua aqui